A13 e outras quatro estradas cortadas nos distritos de Leiria e Coimbra - GNR

| País

A A13 - Autoestrada do Pinhal Interior foi hoje cortada pelas 14:25, no concelho de Penela, em Coimbra, devido à ocorrência de incêndios na zona, disse à Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).

Além da autoestrada A13, as estradas nacionais em Figueiró dos Vinhos e em Castanheira de Pera, ambas no distrito de Leiria, permanecem cortadas desde segunda-feira, indicou a GNR, referindo que foram também interditas entretanto estradas em Pampilhosa da Serra e em Góis, no distrito de Coimbra.

Devido à ocorrência de incêndios, a Estrada Nacional 347, na localidade de Póvoa, em Figueiró dos Vinhos, no distrito de Leiria, cortada pelas 05:45 de segunda, mantém-se interdita ao trânsito, indicou à Lusa fonte da GNR, referindo que não há alternativa em termos de acesso rodoviária na zona.

Além da Estrada Nacional 347, o incêndio que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, continua a provocar o corte do trânsito da Estrada Nacional 236, no concelho de Castanheira de Pera, e a alternativa é o Itinerário Complementar 3 (IC3).

A Estrada Nacional 347 está também cortada na localidade de Relvas, no concelho de Penela, em Coimbra, por causa dos incêndios, informou a GNR, indicando que as alternativas são a Estrada Nacional 17-1, no concelho da Lousã, o IC3 e o Itinerário Complementar 8 (IC8).

No distrito de Coimbra, estão cortadas a Estrada Nacional 112, na localidade de Carvalhal do Sapo, no concelho da Pampilhosa da Serra, interdito desde as 11:00 de hoje, e a Estrada Municipal 543, na localidade de Capelo, em Góis, cortada desde as 13:00 de hoje, de acordo com informação da GNR.

De acordo com a informação divulgada na página na Internet da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), a nível nacional lavravam, pelas 12:15 de hoje, três grandes incêndios nos distritos de Leiria e de Coimbra.

O incêndio que envolve mais meios no terreno continua a ser o de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, que deflagrou na tarde de sábado e que se mantém em curso, encontrando-se a ser combatido por 1.223 operacionais, apoiados por 410 veículos e nove meios aéreos.

O fogo em Pedrógão Grande já provocou 64 mortos e mais de 150 feridos.

O incêndio começou na localidade de Escalos Fundeiros e alastrou depois a Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria.

Desde então, as chamas chegaram aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra.

Este incêndio já consumiu cerca de 26.000 hectares de floresta, de acordo com dados do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais.

Outro dos principais incêndios a lavrar em Portugal é o fogo em Góis, no distrito de Coimbra, que deflagrou pelas 15:00 de sábado e que se mantém em curso, mobilizando 661 bombeiros, 228 viaturas e cinco meios aéreos.

Ainda no distrito de Coimbra, encontra-se em fase de resolução o incêndio de Penela, segundo a informação da Proteção Civil, indicando que o combate às chamas que lavram desde as 21:15 de sábado envolve 161 bombeiros, 51 viaturas e dois meios aéreos.

SYSM // MCL

Lusa/Fim

Tópicos:

Capelo, Carvalhal, Figueiró Vinhos Castanheira, Itinerário Complementar IC Estrada, Lousã, Pampilhosa, Pedrogão, Pedrógão, Proteção, Póvoa Figueiró, Republicana,

A informação mais vista

+ Em Foco

Um mês depois dos incêndios, ainda há raízes em combustão sob a terra no concelho de Pedrógão Grande. Reunimos aqui um conjunto de vídeos em 360 graus captados no local.

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Nos últimos dois anos a RTP ouviu três vozes com diferentes perspetivas do conflito israelo-palestiniano: Miko Peled, Shahd Whadi e Tamir Ginz.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.