A13 e outras quatro estradas cortadas nos distritos de Leiria e Coimbra - GNR

| País

A A13 - Autoestrada do Pinhal Interior foi hoje cortada pelas 14:25, no concelho de Penela, em Coimbra, devido à ocorrência de incêndios na zona, disse à Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).

Além da autoestrada A13, as estradas nacionais em Figueiró dos Vinhos e em Castanheira de Pera, ambas no distrito de Leiria, permanecem cortadas desde segunda-feira, indicou a GNR, referindo que foram também interditas entretanto estradas em Pampilhosa da Serra e em Góis, no distrito de Coimbra.

Devido à ocorrência de incêndios, a Estrada Nacional 347, na localidade de Póvoa, em Figueiró dos Vinhos, no distrito de Leiria, cortada pelas 05:45 de segunda, mantém-se interdita ao trânsito, indicou à Lusa fonte da GNR, referindo que não há alternativa em termos de acesso rodoviária na zona.

Além da Estrada Nacional 347, o incêndio que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, continua a provocar o corte do trânsito da Estrada Nacional 236, no concelho de Castanheira de Pera, e a alternativa é o Itinerário Complementar 3 (IC3).

A Estrada Nacional 347 está também cortada na localidade de Relvas, no concelho de Penela, em Coimbra, por causa dos incêndios, informou a GNR, indicando que as alternativas são a Estrada Nacional 17-1, no concelho da Lousã, o IC3 e o Itinerário Complementar 8 (IC8).

No distrito de Coimbra, estão cortadas a Estrada Nacional 112, na localidade de Carvalhal do Sapo, no concelho da Pampilhosa da Serra, interdito desde as 11:00 de hoje, e a Estrada Municipal 543, na localidade de Capelo, em Góis, cortada desde as 13:00 de hoje, de acordo com informação da GNR.

De acordo com a informação divulgada na página na Internet da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), a nível nacional lavravam, pelas 12:15 de hoje, três grandes incêndios nos distritos de Leiria e de Coimbra.

O incêndio que envolve mais meios no terreno continua a ser o de Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, que deflagrou na tarde de sábado e que se mantém em curso, encontrando-se a ser combatido por 1.223 operacionais, apoiados por 410 veículos e nove meios aéreos.

O fogo em Pedrógão Grande já provocou 64 mortos e mais de 150 feridos.

O incêndio começou na localidade de Escalos Fundeiros e alastrou depois a Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria.

Desde então, as chamas chegaram aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra.

Este incêndio já consumiu cerca de 26.000 hectares de floresta, de acordo com dados do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais.

Outro dos principais incêndios a lavrar em Portugal é o fogo em Góis, no distrito de Coimbra, que deflagrou pelas 15:00 de sábado e que se mantém em curso, mobilizando 661 bombeiros, 228 viaturas e cinco meios aéreos.

Ainda no distrito de Coimbra, encontra-se em fase de resolução o incêndio de Penela, segundo a informação da Proteção Civil, indicando que o combate às chamas que lavram desde as 21:15 de sábado envolve 161 bombeiros, 51 viaturas e dois meios aéreos.

SYSM // MCL

Lusa/Fim

Tópicos:

Capelo, Carvalhal, Figueiró Vinhos Castanheira, Itinerário Complementar IC Estrada, Lousã, Pampilhosa, Pedrogão, Pedrógão, Proteção, Póvoa Figueiró, Republicana,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.