Associação de cidadãos com deficiência mental em ação de voluntariado em Arganil

| País

A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (APPACDM) de Coimbra promove no sábado, em Arganil, uma ação de voluntariado para limpeza dos destroços das casas destruídas pelos incêndios de outubro de 2017.

"A nossa grande motivação é mostrarmos um pouco que somos da comunidade, não só nos bons momentos, mas também nos maus", disse à agência Lusa a presidente da instituição, Helena Albuquerque.

Em Arganil, no interior do distrito de Coimbra, a APPCDM possui um centro de atividades ocupacionais, centro de recursos para a inclusão e um projeto "muito grande" de construção de um lar residencial.

Segundo Helena Albuquerque, os incêndios de outubro, que deixaram um grande rasto de destruição também em Arganil, com mais de uma centena de casas ardidas, "afetou diretamente famílias de colaboradores e de jovens apoiados" pela instituição.

"Alguns perderam os seus haveres, outros viram os terrenos agrícolas destruídos e casas parcial ou totalmente destruídas e nós percebemos que, no dia seguinte [à tragédia], os jovens vinham muito abalados", referiu.

O incêndio causou "um impacto muito grande no centro de Arganil", acrescentou a presidente da APPACDM, salientando que a comunidade daquele concelho tem "integrado e recebido muito bem" a instituição.

"Acreditamos que a solidariedade deve ser um dos valores que nos move e defendemos que uma das lutas que devemos travar diariamente tem a ver com a inclusão na sociedade das pessoas com deficiência", frisou Helena Albuquerque.

Apoiada pelo município de Arganil, a ação de voluntariado, que deverá reunir mais de meia centena de voluntários, consiste na limpeza de casas ardidas, remoção de escombros e materiais destruídos na freguesia de São Martinho da Cortiça.

 

Tópicos:

Albuquerque, Arganil Arganil,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.