Brexit no Conselho de Estado. Com Michel Barnier presente

por Alexandre Brito - RTP
Michel Barnier convidado do Conselho de Estado que se realiza esta tarde Reuters

O negociador-chefe da União Europeia para o Brexit foi convidado por Marcelo Rebelo de Sousa e vai participar esta quinta-feira no Conselho de Estado. O órgão político de consulta do Presidente da República vai olhar com atenção para os acontecimentos dos últimos dias relacionados com a saída do Reino Unido da União Europeia e respectivos impactos nacionais e internacionais.

É a décima primeira reunião do Conselho de Estado, convocada pelo atual Presidente da República, e a terceira que tem como principal tema a saída do Reino Unido da União Europeia.

Um encontro que acontece dois dias depois de o parlamento britânico ter reprovado o acordo de saída negociado por Theresa May, primeira-ministra britânica que ontem sobreviveu a uma moção de confiança. A 1 de março haverá novo Conselho de Estado que terá como convidada Christine Lagarde, diretora-geral do FMI

O convite do Presidente da República a Michel Barnier, para estar presente neste Conselho de Estado, aconteceu ainda antes de ser conhecido o resultado da votação no parlamento britânico ao acordo com a UE, que foi chumbado.

"O Conselho de Estado vai ouvir uma exposição de Michel Barnier sobre a condução das negociações", disse Marcelo Rebelo de Sousa. "A sua leitura da posição britânica e as pistas do futuro. Eu considero que isso é muito importante para Portugal e para a União Europeia".

Nestas declarações, esta quarta-feira à noite, Marcelo Rebelo de Sousa anunciou ainda que no dia 1 de março haverá novo Conselho de Estado, desta vez tendo como convidada Christine Lagarde, Diretora-geral do FMI. "Para perceber as repercussões a nível mundial" do Brexit, disse o Presidente da República.

Britânicos cá e portugueses lá

Marcelo Rebelo de Sousa reafirmou que a posição portuguesa em relação ao Brexit é "de tudo fazer para que haja um acordo, dentro da unidade da UE, para proporcionar as melhores condições para que o Reino Unido, o mais rápido possível, possa votar livremente um acordo connosco, União Europeia".

Uma posição a pensar também nos portugueses que vivem no Reino Unido e nos britânicos que vivem em Portugal.

O Presidente da República garantiu que "em todas as circunstâncias" Portugal "tudo fará para que naquilo que depende de nós, autoridades portuguesas, sejam garantidos os direitos dos britânicos em Portugal e por isso também dos portugueses no Reino Unido".

"Tudo o que possa ser feito para que os vínculos entre nós sejam os mais fortes possíveis é essencial", acrescentou o Presidente da República. "Tudo o que seja uma saída sem acordo é uma saída quase caótica e de consequências muito negativas para as duas partes".
Tópicos
pub