Câmara deve preservar memória do antigo Paço do Lumiar e não privatizar

por © 2007 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.

A candidata independente a presidente da Câmara Municipal de Lisboa Helena Roseta defendeu hoje que a autarquia deve preservar a memória do antigo Paço do Lumiar e contestou a eventual privatização desse património histórico.

Helena Roseta percorreu hoje a pé a Estrada do Paço do Lumiar, com cerca de 20 pessoas, desde o Museu Nacional do Traje e da Moda até à degradada Quinta da Nossa Senhora da Paz, património municipal que esteve para ser vendido.

"É preciso salvar o que resta de uma certa memória de Lisboa", declarou, no final do percurso, depois de passar pela casa onde morou e morreu o poeta Cesário Verde e por uma pequena capela manuelina, também em estado de degradação.

"Não podemos chegar a um ponto em que a única solução seja a venda, seja a privatização", acrescentou a candidata do movimento "Cidadãos por Lisboa".

Considerando que "só se defende, só se preserva o que se conhece", Roseta propôs que a câmara "organize passeios para dar a conhecer a memória da cidade", como esta "antiga aldeia às portas de Lisboa", que era propriedade do filho bastardo de D. Dinis.

Por sua vez, a número três da lista, Manuela Júdice, afirmou que "faz falta um roteiro literário, dos locais ligados à literatura", de que a casa de Cesário Verde faria parte.

O movimento deixou um cartaz na Quinta da Nossa Senhora da Paz, "uma nota negativa para a câmara pelo estado deste património", que durante a presidência de Carmona Rodrigues chegou a estar na lista de imóveis municipais para venda em hasta pública.

"Conseguiu-se que o presidente não levasse essa proposta à Assembleia Municipal. Agora não se sabe o que vai acontecer. Já houve aqui actos de vandalismo, foram roubados azulejos", disse Paulo Ferrero, do Movimento Fórum Cidadania Lisboa, que acompanhou Roseta.

Do outro lado da estrada, Paulo Ferrero indicou "a Quinta de São Sebastião, conhecida por Quinta do Cunhal" por ali ter morado o ex-secretário-geral comunista.

"Era propriedade do PCP. Foi vendida há alguns anos a particulares, que em princípio iriam construir um condomínio", adiantou.