Caso das Gémeas. PS chama Pizarro e presidente do Santa Maria ao Parlamento

por RTP

O grupo parlamentar socialista quer que seja ouvido no Parlamento o atual ministro da Saúde, Manuel Pizarro, e o presidente do Conselho de Administração do Hospital de Santa Maria.

"O Grupo Parlamentar do Partido Socialista decidiu chamar à Comissão Parlamentar de Saúde o ministro da Saúde, Manuel Pizarro, e a presidente do conselho de administração do Hospital de Santa Maria, Ana Paula Martins, no âmbito do chamado caso das gémeas", adiantou a bancada socialista em comunicado.

Segundo a nota dos socialistas, o critério seguido pelo PS é o de convocar os responsáveis que estão em funções e que, por essa razão, estão em condições de "esclarecer toda a verdade sobre este processo, uma vez que o parlamento fiscaliza o Governo e os órgãos da Administração Pública, e, por isso, quem está em funções".

Ainda no mesmo documento, o coordenador do grupo parlamentar socialista na comissão, Luís Soares, considerou que esta iniciativa visa "desmascarar as intenções justicialistas da IL que não aprovou este requerimento do PS, tendo ficado demonstrado que o seu objetivo não é esclarecer este caso".
Esta quinta-feira, a bancada socialista chumbou o requerimento da Iniciativa Liberal para a audição parlamentar dos ex-governantes Marta Temido e Lacerda Sales, entre outras pessoas, sobre o caso das gémeas tratadas no Hospital de Santa Maria, mas a bancada liberal usou o direito de chamá-los ao Parlamento.

O referido requerimento propunha a audição urgente da ex-ministra da Saúde Marta Temido, do ex-secretário de Estado da Saúde António Lacerda Sales, do ex-presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte, Daniel Ferro, e da atual presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte, Ana Paula Martins.
"O Partido Socialista chamou o ministro da Saúde e a senhora presidente da Administração do Hospital de Santa Maria porque entende que este é um caso que deve efetivamente ser esclarecido", afirmou Luís Soares aos jornalistas, acrescentando que o PS não entra "nesta deriva justicialista" do IL, acusando o partido de oposição de aproveitar "a circunstância de estarmos num período pré-eleitoral para confundir a opinião pública".

Perante a rejeição da maioria socialista, o partido liderado por Rui Rocha decidiu usar o direito potestativo de chamar as mesmas pessoas para serem ouvidas sobre o polémico caso das gémeas luso-brasileiras que vieram a Portugal em 2019 receber o medicamento Zolgensma - um dos mais caros do mundo - para a atrofia muscular espinhal, que totalizou quatro milhões de euros.

Em conferência de imprensa, Rui Rocha disse que o PS "entendeu bloquear essa chamada de Lacerda Sales e Marta Temido com um argumento" que o IL assume "não compreender".

"Trata-se de mais uma evidência do bloqueio que a maioria absoluta do PS quer trazer a este Parlamento. (...) E, portanto, estamos numa situação em que vamos bloquear aquilo que é a descoberta da verdade e isso é francamente inademissível"
, afirmou.

"Nós temos de esclarecer se houve aqui algum tipo de favorecimento ou não e, se tiver havido favorecimento, temos de saber quem é que promoveu esse favorecimento", continuou ainda o presidente da IL à margem da comissão de Saúde.

Rui Rocha sublinhou que a Iniciativa Liberal foi "o único partido que apresentou um requerimento no sentido de fazer essa descoberta da verdade no local próprio sem prejuízo de outras sedes".

c/ Lusa
pub