Defesa de Ricardo Salgado diz que acusação da Operação Marquês é "totalmente infundada"

| País

|

Em conferência de imprensa, os advogados de defesa do antigo líder do BES vieram dizer que "Ricardo Salgado não praticou qualquer crime", argumentando que a acusação quanto a ele é "totalmente infundada". Para a defesa, Ricardo Salgado foi usado como "uma espécie de boia de salvação para um processo que se estava a afogar nas suas múltiplas teses contraditórias". A acusação do Ministério Público sobre a Operação Marquês foi conhecida esta quarta-feira. O antigo líder do Banco Espírito Santo, Ricardo Salgado está acusado de 21 crimes.

A defesa do ex-banqueiro Ricardo Salgado afirmou em conferência de imprensa que o seu cliente “não cometeu qualquer crime” e que a acusação “é completamente infundada”.

O advogado Francisco Proença de Carvalho quis frisar que este caso ficará na história como o mais grave em relação à violação dos direitos e garantias dos cidadãos, referindo-se às sucessivas violações do segredo de justiça, que foram acontecendo ao longo dos quatros anos de investigação.


Ricardo Salgado esteve presente na conferência de imprensa, ao lado dos advogados, mas não prestou qualquer tipo de declarações. A própria conferência de imprensa decorreu sem direito a perguntas dos jornalistas.

A defesa disse ainda que Ricardo Salgado “levará até às últimas consequências a sua defesa”, garantindo que Salgado "não se deixará esmagar". Francisco Proença de Carvalho disse que o seu constituinte “foi a boia de salvação de um processo que se estava a afogar nas suas múltiplas teses contraditórias”.

O Ministério Público acusa o antigo líder do BES de 21 crimes: um de corrupção ativa de titular de cargo político, dois de corrupção ativa, nove de branqueamento de capitais, três de abuso de confiança, três de falsificação de documento e três de fraude fiscal qualificada.

Tópicos:

BES, Banco Espírito Santo, Ministério Público, Ricardo Salgado, acusação, corrupção, Operação Marquês,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.