Detidos por suspeitas de corrupção na Madeira enfrentam interrogatório judicial

por RTP
O início dos interrogatórios está previsto para as 14h00 Filipe Silva - RTP

Os três detidos no âmbito da operação levada a cabo na semana passada na Madeira, entre os quais Pedro Calado, presidente da Câmara Municipal do Funchal, começam esta segunda-feira a ser interrogados no Tribunal Central de Investigação Criminal, em Lisboa. Os advogados consultaram o processo no passado sábado, tendo completado elementos de prova.

O início dos interrogatórios está previsto para as 14h00. O empresário Custódio Correia deverá ser o primeiro. Seguem-se Avelino Farinha, do grupo de construção AFA, e Pedro Calado, autarca do Funchal.

As autoridades estão a investigar uma alegada teia que envolve os principais grupos económicos na Madeira e o Governo Regional. Em causa está a presumível prática de crimes de corrupção, abuso de poder, prevaricação e participação económica em negócio.
O Governo Regional da Madeira terá adjudicado às empresas do grupo AFA mais de 260 milhões de euros de 2015 a 2020. De acordo com o Ministério Público, há ainda suspeitas de que o presidente do Governo Regional tenha condicionado a divulgação de notícias desfavoráveis.Miguel Albuquerque foi constituído arguido e pediu o levantamento da imunidade. Na sexta-feira anunciou a intenção de abandonar a presidência do Governo Regional, depois de ter afiançado, num primeiro momento, que não se demitiria.


Na sequência desta investigação, Pedro Calado decidiu renunciar à presidência da Câmara do Funchal.

As detenções tiveram lugar na passada quarta-feira, após perto de 130 buscas domiciliárias e não domiciliárias levadas a cabo pela Polícia Judiciária na Madeira, nos Açores e em diferentes zonas do continente.

c/ Lusa
Tópicos
pub