É necessário apostar mais na investigação das doenças raras

por Teresa Correia - Antena 1

Foto: Reuters

São preocupações deixadas pela Federação das Doenças Raras, quando se assinala o Dia Mundial destas Doenças. Muitas vezes, são as próprias associações ou as famílias dos doentes a financiarem o trabalho dos investigadores.

No período de um ano, e de acordo com os dados disponibilizados pelo Infarmed à Antena 1, o Serviço Nacional de Saúde investiu 296 milhões de euros em medicamentos para as doenças raras. São medicamentos conhecidos como medicamentos órfãos.

É um valor que representa 15 por cento da despesa hospitalar. No total, há 152 medicamentos órfãos autorizados em Portugal.
pub