Grande Reportagem Antena 1 - "Jamaika também é Portugal"

| País
Grande Reportagem Antena 1 - Jamaika também é Portugal

Foto: Rita Colaço - Antena 1

1300 pessoas, guineenses, angolanos, cabo-verdianos, portugueses vivem em situação de risco permanente no bairro da Jamaica, no Seixal. Um dos maiores núcleos de habitação precária no concelho. O bairro nasceu há 30 anos de uma obra que faliu nos anos 80. Uma obra inacabada de nove prédios que vários imigrantes foram completando com tijolos.

Até hoje, os prédios continuam a ganhar mais casas e mais peso. Os que ali moram vivem com o coração nas mãos com medo que os prédios possam ruir um destes dias. É um risco e pode ser uma tragédia anunciada, de acordo com a análise feita por um especialista em estruturas da ordem dos engenheiros.

Os moradores de quatro bairros da área metropolitana de Lisboa - o Jamaica, no Seixal, o Bairro 6 de Maio, na Amadora, o Bairro da Torre e Quinta da Fonte em Loures - assinaram uma carta que enviaram a várias entidades, incluindo ao Presidente da República, para exigir o direito a uma "habitação condigna". Querem ser realojados nuns casos, e querem que as casas sejam reabilitadas, noutros. Exigem ser incluidos no processo de reavaliação do Programa Especial de Realojamento (PER) de 1993, que tinha como objectivo erradicar as barracas das áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto

"Jamaika também é Portugal", uma grande reportagem da jornalista Rita Colaço.

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    A Alemanha foi a votos com uma economia próspera. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.

      Em entrevista exclusiva ao "Olhar o Mundo" aquele que já foi o mais novo primeiro-ministro da União Europeia (2014-2016) aconselha Portugal a apostar nas novas tecnologias e na juventude do país.

      O ímpeto independentista ganhou força, motivado pela crise e pelas divergências em relação ao Estatuto da Autonomia da Catalunha.