Greve dos enfermeiros adia mil cirurgias só em Coimbra

| País

|

Os números foram avançados esta manhã pela Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos. A greve dos enfermeiros dos blocos operatórios já levou ao adiamento de quase mil cirurgias programadas no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC). Os enfermeiros de cinco blocos operatórios de hospitais públicos iniciaram no dia 22 de novembro uma greve de mais de um mês às cirurgias programadas.

Em declarações à agência Lusa, o presidente daquela estrutura, Carlos Cortes, disse que, "no mesmo período, o ano passado se operaram 1.200 doentes e este ano só 376". Contas feitas, estamos a falar de "menos 823 cirurgias programadas, sendo 250 convencionais e 573 de ambulatório".

"Nunca vi nestes últimos anos uma irresponsabilidade, uma apatia e passividade tão grande do Ministério da Saúde perante este problema. E o problema é para os doentes, que não estão a ser operados", disse

Carlos Cortes adianta que há doentes com problemas oncológicos que precisam de cirurgias urgentes. Dá também o exemplo de pacientes no serviço de ortopedia que "correm risco de fraturas se não forem rapidamente operados". "Há doentes com neoplasias que não estão a ser operados, há atrasos que, porventura, poderiam ser cirurgias não consideradas urgentes, mas que passado algum tempo se tornam urgentes", salientou. "No país, nunca conhecemos uma situação desta gravidade"

E conforme o tempo passa, acrescenta o presidente da SRCOMC, o número de cirurgias urgentes aumenta "cada vez mais, porque uma situação num dia pode ser considerada não urgente, mas se não é imediatamente operada começa cada dia a ficar pior".

Para este responsável há consequências que "podem ser marcantes para os doentes o resto da sua vida". Carlos Cortes considera incompreensível a atuação da tutela perante uma greve que tem cerca de duas semanas e meia.

"Estamos perante uma greve com reivindicações e compete ao Ministério da Saúde resolver muito rapidamente toda esta situação. Trata-se de uma situação que considero catastrófica, inédita. No país, nunca conhecemos uma situação desta gravidade".

Carlos Cortes considera ainda inaceitável que, nesta altura, os hospitais e o Ministério da Saúde não tenham ainda revelado os dados das cirurgias em atraso.

"A Ordem dos Médicos não percebe, por exemplo, porque é que o CHUC não diz publicamente quais estão a ser as consequências desta inanição do Ministério da Saúde, que é importante para a transparência deste processo", enfatizou.
Presidente da Associação dos Administradores Hospitalares assume que há doentes em situações dramáticas
Também o Hospital de São João, no Porto,  já adiou mais de mil cirurgias desde Novembro por causa da greve dos enfermeiros. E em Lisboa, o Hospital de Santa Maria não consegue há duas semanas operar nenhuma criança. Neste caso, até ao final do ano, deverão ser adiadas mil e quinhentas cirurgias.

O Presidente da Associação dos Administradores Hospitalares assume que há doentes em situações dramáticas e até perda de vidas.

Alexandre Lourenço diz que Governo e sindicatos têm de ser responsabilizados e as unidades hospitalares devem desde logo ter a possibilidade de transferir doentes para outros hospitais, entre eles privados.

C/ Lusa

Tópicos:

Hospitalar,

A informação mais vista

+ Em Foco

A primeira-ministro britânica descarta um segundo referendo, por considerar que não vai solucionar a encruzilhada que o Reino Unido enfrenta.

Xi Jinping passou dois dias em Lisboa, na primeira visita de Estado a Portugal desde que é Presidente da República Popular da China. Foram assinados vários acordos bilaterais.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      O processo de degelo na Gronelândia acelerou substancialmente nas últimas décadas. Os investigadores alertam para o perigo da subida do nível da água do mar.