Em direto
Zelensky visita Portugal com acordo de cooperação militar na agenda

Junta de Ramalde pede mais PSP para responder a "onda de assaltos contínua"

por Lusa

A presidente da Junta de Freguesia de Ramalde, no Porto, defendeu hoje a necessidade de a PSP ser reforçada face à "onda de assaltos contínua" e de se reabrir uma esquadra "para garantir a segurança" dos mais de 38.000 habitantes.

Em declarações à Lusa, a presidente da junta de freguesia, Patrícia Rapazote, afirmou que, apesar de ter aumentado, o número de efetivos da PSP "não é suficiente" para garantir policiamento nas ruas.

"São necessários mais efetivos", defendeu, dizendo que recebe frequentemente queixas de moradores e de comerciantes a propósito da "onda de assaltos contínua".

"Roubam tudo o que encontram pelo caminho", referiu.

Em Ramalde, que, segundo os Censos de 2021, é a segunda freguesia com mais população do concelho do Porto já chegaram a existir três esquadras da PSP (Pinheiro Manso, João de Deus e Francos), mas atualmente só existe uma, a Esquadra do Viso.

"Temos quase 39 mil habitantes, temos três estações de metro, temos quatro agrupamentos de escolas e uma zona industrial imensa. A população flutuante é imensa e quase que dobra a população residente. Neste momento, temos uma esquadra, que não tem o efetivo na totalidade, e um carro patrulha que ainda não está 24 sob 24 horas", detalhou.

Face à "onda de assaltos", Patrícia Rapazote salientou a necessidade de se abrirem "mais esquadras", sobretudo na zona de Pinheiro Manso, onde vários moradores se juntaram para criar uma associação e alertar as entidades públicas, como a Câmara do Porto e o Ministério da Administração Interna, para o aumento da criminalidade.

À Lusa, a autarca afirmou que a junta tem promovido a limpeza da via pública, o reforço da iluminação e a vedação de casas devolutas, que eram sobretudo ocupadas por toxicodependentes, apesar de tais medidas não serem suficientes para assegurar a segurança da população.

"O importante é dar dignidade e sensação de segurança a todos", observou, salientando que, através da criação da associação, os moradores passam a ter "uma voz mais ativa e representatividade".

A par do reforço dos efetivos e esquadras da PSP, Patrícia Rapazote salientou a importância do sistema de videovigilância, que opera desde junho de 2023 na cidade, ser alargado a Ramalde.

"Era muito importante, não como uma substituição da PSP, mas como uma ferramenta útil e de auxílio aos profissionais", observou, dizendo que o sistema poderia também ser dissuasor da criminalidade.

Na quarta-feira, em declarações à Lusa, João Pedro Mortágua, morador na zona de Pinheiro Manso desde 2009, contou que há cerca de um mês os assaltos, realizados "sobretudo por toxicodependentes", são diários.

"Estão tão desorientados que qualquer objeto que roubem lhes dá mais cinco euros para consumirem droga", afirmou.

Além de assaltarem carros, também roubam tampas de esgotos, grelhas de sarjetas, telhas e placas de zinco, como aconteceu a um vizinho de João.

Alegadamente, estes objetos e materiais são posteriormente vendidos a um sucateiro que existe nas proximidades daquela freguesia.

"Não há um dia em que não exista um assalto", observou o morador, acrescentando que "o nível de degradação social, violência e insegurança é imenso".

Em outubro de 2023, o Comando Metropolitano da PSP do Porto adiantava que a criminalidade violenta e grave naquela zona do Porto tinha aumentado comparativamente a 2022, bem como o número de detenções relacionadas com o tráfico de estupefacientes.

No entanto, a criminalidade geral participada diminuiu, tendo sido participados 358 crimes em 2022 e 323 em 2023.

Tópicos
pub