Proteção Civil e Everjets assinam contrato para operação e manutenção dos kamov do Estado

| País

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) assinou hoje o contrato com a empresa Everjets para a manutenção e operação dos helicópteros kamov do Estado para os próximos quatro anos

A Everjets foi a vencedora do concurso público internacional para a operação e manutenção dos helicópteros pesados para os próximos quatro anos, no valor superior a 46 milhões de euros.

Em comunicado, a Proteção Civil refere que foi hoje assinado, entre a ANPC e a Empresa Everjets, o contrato para a aquisição dos serviços de operação dos meios aéreos pesados para missões do Ministério da Administração Interna, envolvendo os seis helicópteros kamov.

Apesar de o contrato prever a operação e manutenção dos seis kamov, neste momento estão três operacionais, estando dois em manutenção e um acidentado desde o verão de 2012, segundo informações prestadas anteriormente à Lusa pela ANPC.

A Proteção Civil garante estar "a desenvolver todos os esforços" para que fiquem operacionais cinco kamov.

Além da operação e manutenção dos seis helicópteros kamov, a Everjets vai também ficar com a responsabilidade dos 25 trabalhadores da extinta Empresa de Meios Aéreos (EMA), dos quais cinco são pilotos e três copilotos.

Em 2013, a Everjets ganhou também o concurso de aluguer de 25 helicópteros ligeiros de combate a incêndios florestais por um período de cinco anos.

A EMA foi extinta no final de outubro do ano passado, tendo os trabalhadores transitado para a ANPC, até à conclusão do concurso público internacional.

A ANPC é também responsável pela gestão dos contratos de operação e manutenção dos meios aéreos próprios do Estado.

Tópicos:

ANPC, Proteção,

A informação mais vista

+ Em Foco

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Doze meses depois da eleição presidencial de 8 de novembro de 2016, com Donald Trump ao leme da Casa Branca, os Estados Unidos mudaram. E o mundo afigura-se agora mais perigoso.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.