UMAR quer que a objeção de consciência dos médicos seja regulamentada

por RTP

A União de Mulheres Alternativa e Resposta, a UMAR, quer que a objeção de consciência dos médicos seja regulamentada.

No mês em que se assinalam os 17 anos da despenalização do aborto em Portugal, a UMAR lembra que há hospitais do país que não permitem a realização do aborto.

Os profissionais de saúde alegam objeção de consciência, para realizar o procedimento.

A UMAR defende, por isso, maior fiscalização no uso deste direito.
pub