Vai ser libertada portuguesa presa ilegalmente em São Tomé e Príncipe há 48 dias

| País

|

Isabel Preto Gonçalves estava em excesso de prisão preventiva depois de ter recorrido de uma condenação por branqueamento de capitais. O Supremo Tribunal de Justiça de São Tomé deferiu um habeas corpus que a irá colocar, a qualquer momento, em liberdade. Esta mulher de 50 anos foi a única condenada pela falência do Banco Equador.

Vários advogados que avaliaram a sentença de condenação garantiram ao Sexta às 9 que esta continha contradições insanáveis que podem levar à sua anulação.

O Sexta às 9 demonstrou que a justiça de São Tomé e Princípe só há um mês pediu a extradição do ex-administrador do banco, considerado o principal suspeito dos crimes económicos em questão.

Isabel Preto Gonçalves não trabalhava sequer no banco Equador, mas no Grupo Mombaka, detido pelo administrador do banco. Foi considerada braço-direito de Rui Mendonça.

Rui Mendonça vive em Cascais e como adquiriu nacionalidade portuguesa não pode ser extraditado.

Tópicos:

Portuguesa, banco Equador, falência, prisão preventiva, Sexta às 9,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.