Autárquicas. Sondagem prevê maioria absoluta para o PS na Amadora

por RTP
Nas eleições de 2017, na Amadora, o PS venceu com 48 por cento dos votos. Mário Cruz - Lusa (foto de arquivo)

Os amadorenses vão às urnas já no próximo dia 26 de setembro para escolherem entre nove candidatos à presidência da autarquia: António Borges (CDU), Carla Tavares (PS), Carlos Macedo (PAN), Deolinda Martin (BE), Gil Garcia (MAS), Henrique Tigo (coligação "Amadora Contigo" - PPM, RIR), José Dias (Chega), Nuno Ataíde (IL) ou Suzana Garcia (coligação "Dar Voz à Amadora" - PSP, CDS, PDR, MPT). A sondagem pré-eleitoral da Universidade Católica Portuguesa para a RTP e Público indica que o mais provável é repetir-se o cenário de maioria absoluta para o PS na Amadora.

Apenas 63 por cento dos habitantes da Amadora dizem ter a certeza de que irão votar nestas eleições. Ainda assim, não é possível prever o valor para a abstenção, uma vez que 19 por cento dos residentes neste concelho dizem que em princípio vão votar e nove por cento ainda não sabem.

Outros dois por cento dizem que não tencionam ir às urnas, enquanto seis por cento têm a certeza de que não irão votar a 26 de setembro.

Quanto à intenção de voto, o PS está em vantagem: 27 por cento dos amadorenses revelaram uma intenção direta de voto no Partido Socialista, sendo que a estimativa de resultados eleitorais aponta para 43 por cento dos votos no PS.

Em segundo lugar nas intenções de voto está a coligação “Dar Voz à Amadora”, com 15 por cento. Seguem-se a CDU (com sete por cento), o Bloco de Esquerda (dois por cento), a Iniciativa Liberal (dois por cento), o Chega (dois por cento), o PAN (dois por cento), a coligação “Amadora Contigo” (um por cento) e o MAS (também com um por cento).

Seis por cento dos votos deverão ser em branco ou nulos, enquanto 23 por cento dos almadenses disseram não saber em quem vão votar, oito por cento responderam que não vão votar e quatro por cento se recusaram a responder a esta questão.

A sondagem sugere, assim, que o mais provável é que neste momento os socialistas tenham intenções de voto suficientes para manterem a maioria absoluta na Câmara Municipal. Se os resultados de dia 26 fossem os desta sondagem, o PS teria sete mandatos, a coligação “Dar Voz à Amadora” teria três e a CDU ficaria com um. Nas eleições de 2017, na Amadora, o PS venceu com 48 por cento dos votos.

No entanto, não está excluída a possibilidade de o PS não ter maioria absoluta, ficando com cinco em 11 mandatos, esclarece o relatório da Universidade Católica. “Ou seja, se as eleições tivessem sido nos dias de trabalho de campo, a maior probabilidade seria de vitória do PS com maioria absoluta”, mas esse cenário pode não se verificar à data das autárquicas.

Quando questionados sobre quem acham que vai ganhar as autárquicas em Almada, independentemente da sua preferência, 61 por cento dos inquiridos responderam que será o PS, nove por cento a coligação “Dar Voz à Amadora”, três por cento outros partidos e 28 por cento disseram não saber.
Sondagem prevê maioria absoluta para o PS
Por faixas etárias, a dos 18 aos 34 anos é a que está mais indecisa sobre em que partido irá votar: 31 por cento destes jovens e jovens adultos disseram não saber qual será a sua decisão no dia 26. Catorze por cento tencionam votar no PS, 17 por cento na coligação “Dar Voz à Amadora”, cinco por cento na CDU, cinco por cento no PAN, quatro por cento na IL, dois por cento no BE, um por cento no Chega e três por cento noutros partidos.

Na faixa dos 35 aos 64 anos lidera também o PS, com 28 por cento das intenções de voto, seguido da coligação “Dar Voz à Amadora” (14 por cento), da CDU (seis por cento), BE (dois por cento), Chega (dois por cento), IL (dois por cento) e PAN (dois por cento).

Por fim, na faixa etária dos 65 ou mais, 37 por cento pretendem escolher o PS, 14 por cento a CDU, 13 por cento a coligação “Dar Voz à Amadora”, quatro por cento o BE, dois por cento o PAN, dois por cento o Chega e zero por cento a Iniciativa Liberal.

Atualmente, a Amadora tem 11 mandatos para a Câmara Municipal: sete do PS, dois do PSD/CDS, um da CDU e um do BE.

Se os resultados desta sondagem se confirmarem no dia das eleições, o PS terá entre cinco a oito mandatos (sendo mais provável que tenha seis ou sete), a coligação “Dar Voz à Amadora” terá entre dois a três, a CDU entre um a dois e o Bloco de Esquerda entre zero a um.

“Ou seja, se o resultado das eleições for igual ao desta sondagem, muito provavelmente manter-se-á na Amadora o cenário de maioria absoluta”, conclui o relatório.


Ficha Técnica
Este inquérito foi realizado pelo CESOP-Universidade Católica Portuguesa para a RTP e para o Público entre os dias 12 e 13 de setembro de 2021. O universo alvo é composto pelos eleitores residentes e recenseados no concelho da Amadora. Foram selecionadas quatro freguesias do concelho de modo a que as médias dos resultados eleitorais das eleições autárquicas de 2013 e 2017 nesse conjunto de freguesias (ponderado o número de inquéritos a realizar em cada uma) estivessem a menos de 1% dos resultados dos cinco maiores partidos ao nível do concelho. Os domicílios em cada freguesia foram selecionados por caminho aleatório e foi inquirido em cada domicílio o próximo aniversariante recenseado eleitoralmente no concelho. Os inquiridos foram informados do objetivo do estudo e demonstraram vontade de participar Foram obtidos 685 inquéritos válidos, sendo 55% dos inquiridos mulheres. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição da população por sexo, escalões etários, freguesia e voto nas autárquicas 2017. A taxa de resposta foi de 31%. A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 685 inquiridos é de 3,7% com um nível de confiança de 95%.
pub