Comissão Política do PSD eleita com 88 por cento dos votos

| Política

A equipa proposta pelo presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, para a Comissão Política do partido foi hoje eleita pelo XXXIV Congresso social-democrata com 88 por cento cento dos votos.

O presidente da Mesa do Congresso do PSD, Fernando Ruas, anunciou que participaram nesta votação 745 congressistas, dos quais 657 votaram favoravelmente a lista proposta por Passos Coelho, que tem Matos Rosa como secretário-geral e Jorge Moreira da Silva como primeiro vice-presidente.

Foram também eleitos vice-presidentes Nilza Sena, Manuel Rodrigues, Marco António Costa, Teresa Leal Coelho e Pedro Pinto, sendo estes dois últimos as novidades desta equipa de direção, em substituição de Paula Teixeira da Cruz e Diogo Leite Campos, que deixaram a Comissão Política do PSD.

Foram ainda eleitos vogais da Comissão Política Desidério Silva, Fernando Armindo Costa, Fernando Jorge, Hermínio Loureiro, José António Jesus, Maria da Conceição Pereira, Maria Trindade, Paulo Júlio, Rodrigo Moita de Deus e Rogério Gomes.

Destes, só Rodrigo Moita de Deus, Fernando Armindo Costa e José António Jesus não pertenciam à anterior direção do PSD.

Há dois anos, a Comissão Política proposta por Pedro Passos Coelho foi eleita pelo Congresso do PSD com 87,2 por cento de votos favoráveis, 677 num total de 774 votantes.

Tópicos:

Armindo, Conceição, Cruz Diogo, Desidério, Rodrigo Moita Deus,

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Acionar o artigo 155 da Constituição espanhola representa um momento único na História de Espanha. O Governo de Madrid já definiu os setores que quer controlar de imediato.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Mário Centeno também deixou no ar a ideia de que, na discussão da especialidade do OE2018, seja posto um ponto final nos cortes do subsídio de desemprego.