Em direto
Portugal comemora 50 anos da Revolução dos Cravos. Acompanhe ao minuto

Novo perfil do Parlamento português

por RTP |
Conheça o retrato dos protagonistas com assento parlamentar.
O perfil da nova legislatura
Há agora nove partidos representados, mais um do que na anterior legislatura com o regresso do CDS.
Perfil da XVI legislatura
No novo Parlamento, o PSD tem agora 78 deputados (mais um do que na anterior legislatura), o PS também 78 (menos 42), o Chega subiu de 12 para 50 parlamentares, a IL e BE mantém os deputados que já tinham (oito e cinco), enquanto que o PCP desceu de seis para quatro. O Livre cresceu de um para quatro mandatos. O CDS-PP regressa ao Parlamento com dois deputados e o PAN mantém a sua deputada única.
Desceu o número de deputadas em relação à legislatura anterior
Depois de a lei da paridade ter sido revista em 2019, passando a fixar em 40% a percentagem mínima de cada um dos sexos nas listas eleitorais, os resultados das legislativas de 2022 já tinham ficado aquém: as 85 eleitas representavam 37% do Parlamento.
Dos 230 parlamentares eleitos, foram eleitas apenas 76 mulheres (33% do total), a meta ficou agora mais distante.
Idade média: 49
A idade média da nova legislatura é de 49 anos (48,91). É na faixa etária dos 50 aos 64 anos que estão agregados o maior número de deputados, seguida a faixa etária dos 40 aos 49 anos.

Nota: Os deputados do CDS fazem uma média de 60,5, visto que o deputado mais novo tem 58 e o mais velho 63 anos de idade. Não se apresenta a média do PAN, dado que apenas elegeu uma deputada (43 anos).

Nesta legislatura, a deputada mais jovem é do Chega: tem 20 anos e chama-se Madalena Simões Cordeiro, tendo sido eleita pelo círculo de Lisboa.
O mais velho é Manuel Alves, também do Chega, eleito pelo círculo fora da Europa, aos 76 anos.
Caras novas e repetentes
No total, há 90 estreantes na Assembleia da República, o que corresponde a 39% dos assentos parlamentares, contra 140 repetentes (61%).

Nota: Não se apresenta a média da Deputada do PAN, dado que reelegeu a mesma deputada.

O único líder partidário que nunca foi deputado, Paulo Raimundo, secretário-geral do PCP, estreou-se como parlamentar numa bancada que encolheu, mas conta com o regresso do histórico deputado comunista António Filipe.
Ainda em relação aos regressos, são vários os nomes sonantes que integravam as listas da AD, como Leitão Amaro ou Hugo Soares. O PSD conta ainda com estreantes como Salvador Malheiro, vice-presidente na era de Rui Rio, Eduardo Oliveira e Sousa, antigo presidente da CAP, ou Miguel Guimarães, ex-bastonário da Ordem dos Médicos.
Quanto ao PS, o partido que perdeu mais deputados, vê regressar o antigo parlamentar Francisco Assis e também a ex-secretária de Estado Elza Pais. Vários membros do anterior Governo transitaram para deputados, tais como Mariana Vieira da Silva, Ana Mendes Godinho, José Luís Carneiro ou ainda Fernando Medina.
O Chega foi o partido com o maior número de estreantes, contando com nomes como António Pinto Pereira, ex-PSD, Cristina Rodrigues, ex-PAN, o antigo secretário de Estado do PSD Henrique de Freitas, ou ainda a vice-presidente do partido Marta Silva.
No Bloco de Esquerda estreia-se a ex-eurodeputada Marisa Matias.
No Livre, três quartos da bancada são estreantes, incluindo a líder parlamentar Isabel Mendes Lopes.
Quanto à bancada da Iniciativa Liberal, destaca-se a estreia de Mariana Leitão, a nova líder parlamentar dos liberais.
Formação
58% dos deputados têm o grau de licenciado.

Fontes: Parlamento.pt; SGMAI