Última Hora
Presidente dos EUA dá passo atrás. Joe Biden desiste da candidatura presidencial

Passos Coelho diz que défice pode ficar este ano "abaixo dos 3%"

por Antena 1

Foto: Miguel Pereira da Silva - Lusa

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, disse, na Guarda, que, no que respeita à despesa, "tudo se encaminha" para que o défice nacional possa ficar este ano "abaixo dos 3%".

A Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) estimou quinta-feira que o défice das administrações públicas, em contas nacionais, tenha ficado nos 3,7% entre janeiro e setembro deste ano, um valor acima da meta do anterior Governo para a totalidade do ano.

"No que respeita à despesa, tudo se encaminha para que nós possamos ter um défice abaixo de 3%", afirmou o ex-primeiro ministro, explicando que, para tal objetivo, "basta manter o nível de esforço de despesa e ter o mesmo padrão de receita que até outubro foi observado, para que um défice inferior a 3% seja alcançado".

O ex-primeiro-ministro lembrou também as palavras que disse ao novo primeiro-ministro, António Costa, quando lhe passou a "pasta": "Se quiser ter um défice abaixo de 3% isso está ao seu alcance, mas para o poder alcançar o senhor tem de se empenhar nisso".

"Eu, se estivesse neste lugar, até ao final do ano teria de me empenhar nisso para ter um défice inferior a 3%. Nunca teríamos alcançado as metas que alcançamos no passado se eu não me tivesse empenhado nisso".

Pedro Passos Coelho acrescentou que, "na verdade", o país tem "ainda reserva para acomodar despesa até ao final do ano".

"Nós temos uma chamada dotação previsional que vale cerca de 530 milhões de euros ao longo do ano. É importante dizer que o que está disponível de reserva para o mês de dezembro (?) é mais do que um duodécimo desse valor, o que quer dizer que nós gastámos menos dessa dotação previsional do que deveríamos se a dividíssemos pelos onze meses do ano por que fomos responsáveis", justificou.

Passos Coelho referiu que os duodécimos "representariam cerca de 44 milhões de euros" e que o seu Governo deixou lá "perto de 62 milhões de euros".

"Portanto, está tudo bem. Desde que o Governo esteja empenhado, do lado da despesa, em ter um défice inferior a 3% poderá tê-lo", afirmou.




PUB