Presidente da República deu posse aos novos secretários de Estado

por RTP
António Pedro Santos - Lusa

Numa cerimónia restrita no Palácio de Belém, Marcelo Rebelo de Sousa deu esta quinta-feira posse aos seis secretários de Estado dos ministérios da Educação, Saúde, Infraestruturas e Mar.

O Presidente da República deu posse a cinco novos secretários de Estado. O primeiro-ministro fez mudanças em seis secretarias de Estado, mas há apenas cinco novos secretários de Estado, dado que Lacerda Sales se mantém no Governo e transita apenas de secretaria.

A primeira a tomar posse foi Inês Ramires, como secretária de Estado da Educação, seguindo-se António Lacerda Sales, que subiu na hierarquia da equipa liderada pela ministra Marta Temido, assumindo as funções de secretário de Estado Adjunto e da Saúde, que eram exercidas por Jamila Madeira, hoje exonerada.

As antigas funções de Lacerda Sales foram, assim, atribuídas a Diogo Serras Lopes, que tomou posse enquanto novo secretário de Estado da Saúde.

Para o Governo entrou também Teresa Estêvão Pedro, nova secretária de Estado das Pescas, substituindo José Apolinário.

No Ministério das Infraestruturas, Hugo Santos Mendes tomou posse como secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, cargo até agora exercido por Alberto Souto de Miranda, e Marina Gonçalves assumiu a pasta da Habitação, em substituição de Ana Pinho.
Jamila Madeira vai continuar na vida política
A saída mais inesperada do Governo foi a de Jamila Madeira. Em declarações à RTP, a própria ex-secretária de Estado adjunta e da Saúde disse ter ficado “muito surpreendida” com a decisão da ministra da Saúde, Marta Temido.

"Naturalmente fiquei muito surpreendida com a opção da ministra", disse Jamila Madeira, referindo que não pediu para sair do executivo de António Costa.
A ex-governante refere que sai do Governo "de consciência tranquila de missão cumprida com a certeza de que fiz tudo o que estava ao meu alcance num ano particularmente inédito".

A antiga líder da Juventude Socialista salientou esta quinta-feira que vai continuar na vida política e que sai do executivo com contas positivas no Serviço Nacional de Saúde. "Volto para a Assembleia da República. O meu papel na vida política e partidária continua", declarou Jamila Madeira à saída da cerimónia.

"Após este quase um ano de mandato nas funções de secretária de Estado Adjunta e da Saúde, gostava de dizer que é com orgulho que saio num momento em que podemos dizer que terminou o mito do SNS ser um buraco sem fundo", acrescentou.

De acordo com a ex-secretária de Estado, "pela primeira vez", a meio de setembro, "os números da conta do SNS demonstram a sua sustentabilidade [financeira], algo tão importante para os portugueses".

"Esse resultado só é possível com o investimento colocado pelo Governo liderado pelo primeiro-ministro [António Costa] e com uma gestão criteriosa que foi desenvolvida durante este mandato", frisou.

As mudanças nestes quatro ministérios, que constituem a segunda recomposição do XXII Governo Constitucional, foram propostas pelo primeiro-ministro, António Costa, e aceites pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, na quarta-feira.

A cerimónia de tomada de posse contou com a presença do primeiro-ministro, António Costa, dos ministros da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, da Saúde, Marta Temido, das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, e do Mar, Ricardo Serrão Santos, e dos cinco secretários de Estado exonerados.

c/Lusa
Tópicos
pub