Procurador europeu. Candidata preterida admite que concurso pode ser impugnado

por RTP

Ana Carla Almeida considera que o caso põe em causa o Estado de Direito e disse que os factos desmentem a ministra da Justiça e o gabinete do primeiro-ministro.

A candidata que ganhou o concurso internacional, mas foi afastada pelo Governo e esclareceu que o Conselho Superior do Ministério Público não tinha nenhum papel decisivo no concurso, ao contrário do que foi sugerido pela ministra.
pub