Festival Europeu de Documentário Científico de Lisboa

| Cultura
Festival  Europeu de Documentário Científico de Lisboa

A ver: Festival Europeu de Documentário Científico de Lisboa

O Festival Europeu de Documentário Científico de Lisboa arrancou esta quinta feira. Até dia 4 de dezembro há sessões na Cinemateca Júnior e no Pavilhão do Conhecimento.
No Jornal 2 Miguel Ribeiro, da organização, fala numa oportunidade para ver a estreia do último filme do naturalista David Attenborough que aos 90 anos trabalha sobre a bioluminescência. É esta sexta-feira às seis da tarde na Cinemateca Júnior.

Entre os mais de trinta filmes selecionados estão, por exemplo, "A metafísica dos chocolates", de 1967, assinado por José Fonseca e Costa, "David Attenborough`s light on earth" (2016), de Martin Dohn, Joe Loncrain e Paul Reddish, e "Chernobyl - 30 years after - The supressed didaster" (2016), de Ranga Yogeshwar.

A estes filmes juntam-se ainda alguns episódios da série de animação "Era uma vez... A Vida", de Albert Barillé.

O festival começou por ser itinerante, já aconteceu em várias cidades europeias, incluindo Lisboa, em 2012, e é agora co-organizado em Portugal pelo Centro de Ciência Viva, pela associação Apordoc e pelas organizações de investigação e divulgação científica EuroPAWS e EuroScience.

A programação está dividida em várias temáticas, como ambiente, física e pesquisa médica.

Haverá ainda um serviço educativo vocacionado para o público escolar, "apostando na formação de público e na relação da comunidade escolar com o género documentário e com a ciência", afirma a Apordoc em comunicado.

No Pavilhão do Conhecimento - Ciência Viva está marcada a palestra "Crocodilos, sexo e cicatrizes", de Mark Ferguson, director da Science Foundation Ireland.

Todas as atividades e sessões são de entrada gratuita.

Toda a programação do Festival Europeu de Documentário Científico de Lisboa está disponível em www.scidoc.eu.

A informação mais vista

+ Em Foco

Nasceu em 1951 aquele que é conhecido como o primeiro centro comercial em Portugal.

    A curda Mina Jaf é diretora da Women Refugee Route e trabalha com a ONU. Diz que quer mostrar às refugiadas que têm de sair das tendas dos campos e contar a violência de que são alvo.

      Um velho enigma pode estar explicado: por que continua a ilha de Santa Maria a erguer-se acima do nível do mar? Ricardo Ramalho resume para o RTP online a investigação mais recente sobre o tema.

        Uma rubrica do site da RTP e do Jornal 2 dentro do contexto evocativo do centenário da Grande Guerra. Emitida todas as segundas-feiras.