Entidade corta mais de 25% das estruturas de topo para reduzir custos

| Economia

O Novo Banco simplificou a estrutura da organização ao nível dos gestores de primeira linha, reduzindo dez estruturas centrais, o que corresponde a uma diminuição de 25,6% nas estruturas de topo do banco.

"O Novo Banco conclui a primeira fase dos trabalhos do Projeto de Transformação, simplificando a estrutura da organização ao nível dos gestores de primeira linha, tendo reduzido 10 estruturas centrais, e respetivos diretores coordenadores, passando das atuais 39 para 29, o que representa uma redução de 25,6% nas estruturas de topo do banco", informou em comunicado a instituição.

Segundo o Novo Banco, através desta reorganização, a entidade "passa a ser a instituição com a estrutura mais leve e eficiente do setor bancário nacional".

O banco liderado por António Ramalho especificou que "este trabalho de simplificação realizou-se em várias áreas do banco, designadamente, nas áreas de `marketing`, comerciais e recuperação de crédito".

Paralelamente, seguindo as melhores práticas de governação, o Novo Banco aprovou ainda a segregação entre a Gestão de Risco e o Controle de Risco, tendo sido criada a figura de `Chief Risk Officer (CRO)`, que ficará na dependência de membros não executivos do Conselho de Administração.

"Todas estas medidas estarão implementadas a 01 de janeiro de 2017", adiantou o Novo Banco.

E realçou: "O Novo Banco já tinha apresentado no final de setembro custos operacionais de 449,9 milhões de euros, evidenciando uma redução de 24,3% face ao período homólogo do ano anterior, ao mesmo tempo que apresentou um resultado marginalmente positivo, mesmo assim, o primeiro da sua história".

A entidade - que está em processo de venda - salientou ainda que "o esforço das equipas do Novo Banco coincidiu com um período de maior exigência na rede de retalho e de empresas, que aliás se refletiu em vários recordes de produção mensal obtidos no último mês de outubro".

Em 03 de agosto de 2014, o Banco de Portugal tomou o controlo do Banco Espírito Santo (BES), depois de a instituição ter apresentado prejuízos semestrais de 3,6 mil milhões de euros, e anunciou a separação da instituição em duas entidades distintas.

No chamado `banco mau` (`bad bank`), um veículo que mantém o nome BES, ficaram concentrados os ativos e passivos tóxicos do BES, assim como os acionistas.

No `banco bom`, o banco de transição designado de Novo Banco, ficaram os ativos e passivos considerados não problemáticos.

Em dezembro do ano passado foram prolongadas as garantias estatais ao Novo Banco e a data limite para a sua venda foi estendida, por acordo com a Comissão Europeia, até agosto de 2017.

 

 

Tópicos:

Espírito,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.