Estado e contribuintes não suportarão perdas de maus negócios privados, diz Passos

| País
Estado e contribuintes não suportarão perdas de maus negócios privados, diz Passos

Foto: reuters

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, disse hoje que o Estado e os contribuintes portugueses não serão chamados a suportar perdas decorrentes de maus negócios privados.

"Os contribuintes portugueses não serão chamados a suportar perdas privadas", disse Pedro Passos Coelho, na mina de Neves Corvo, no concelho alentejano de Castro Verde, referindo que são os privados que "têm de suportar as consequências dos maus negócios que fazem".

Por outro lado, disse, os investidores "sabem que o Estado não intervém
para, por exemplo, minimizar as perdas que possam estar associadas a maus investimentos, a más decisões, a maus projetos, a intenções que se revelam enviesadas face àquilo que são as regras de mercado".

O primeiro-ministro falava na cerimónia de assinatura, entre a concessionária da mina, a Somincor, e o Estado Português, do contrato de alargamento da concessão do complexo mineiro, através da exploração de um novo depósito de cobre, num investimento total de 185 milhões de euros.

Segundo o primeiro-ministro, o Estado e os contribuintes não serão chamados a suportar perdas privadas "mesmo que possamos vir a ter perturbações, e já sabemos que elas existem hoje até na sociedade portuguesa bastante localizadas em termos de investimentos que foram feitos através de grupos privados, que hoje têm problemas para digerir".

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista exclusiva à RTP, Le Pen conta como foi expulso do partido que fundou em 1972 pela própria filha, a atual candidata Presidencial.

A UE está ameaçada e tem de voltar à génese para se fortalecer e recuperar influência mundial. Ou arrisca-se a perder o comboio do desenvolvimento e a desmembrar-se em pouco tempo.

    Filhos de pais separados que ficam em guarda partilhada são "menos ansiosos e mais felizes" do que aqueles que ficam só com um deles.

    Estarão os nossos equipamentos comprometidos? O especialista em cibersegurança Pedro Queirós alerta para um problema "assustador".