Estado e contribuintes não suportarão perdas de maus negócios privados, diz Passos

| País
Estado e contribuintes não suportarão perdas de maus negócios privados, diz Passos

Foto: reuters

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, disse hoje que o Estado e os contribuintes portugueses não serão chamados a suportar perdas decorrentes de maus negócios privados.

"Os contribuintes portugueses não serão chamados a suportar perdas privadas", disse Pedro Passos Coelho, na mina de Neves Corvo, no concelho alentejano de Castro Verde, referindo que são os privados que "têm de suportar as consequências dos maus negócios que fazem".

Por outro lado, disse, os investidores "sabem que o Estado não intervém
para, por exemplo, minimizar as perdas que possam estar associadas a maus investimentos, a más decisões, a maus projetos, a intenções que se revelam enviesadas face àquilo que são as regras de mercado".

O primeiro-ministro falava na cerimónia de assinatura, entre a concessionária da mina, a Somincor, e o Estado Português, do contrato de alargamento da concessão do complexo mineiro, através da exploração de um novo depósito de cobre, num investimento total de 185 milhões de euros.

Segundo o primeiro-ministro, o Estado e os contribuintes não serão chamados a suportar perdas privadas "mesmo que possamos vir a ter perturbações, e já sabemos que elas existem hoje até na sociedade portuguesa bastante localizadas em termos de investimentos que foram feitos através de grupos privados, que hoje têm problemas para digerir".

A informação mais vista

+ Em Foco

É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.

Constança Urbano de Sousa garante que enquanto tiver confiança do primeiro-ministro não vai sair do Executivo.

Jorge Paiva, botânico e professor, um dos maiores peritos da floresta, critica em entrevista à Antena 1 o desinteresse generalizado dos políticos pelos problemas da floresta.