Estado e contribuintes não suportarão perdas de maus negócios privados, diz Passos

| País
Estado e contribuintes não suportarão perdas de maus negócios privados, diz Passos

Foto: reuters

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, disse hoje que o Estado e os contribuintes portugueses não serão chamados a suportar perdas decorrentes de maus negócios privados.

"Os contribuintes portugueses não serão chamados a suportar perdas privadas", disse Pedro Passos Coelho, na mina de Neves Corvo, no concelho alentejano de Castro Verde, referindo que são os privados que "têm de suportar as consequências dos maus negócios que fazem".

Por outro lado, disse, os investidores "sabem que o Estado não intervém
para, por exemplo, minimizar as perdas que possam estar associadas a maus investimentos, a más decisões, a maus projetos, a intenções que se revelam enviesadas face àquilo que são as regras de mercado".

O primeiro-ministro falava na cerimónia de assinatura, entre a concessionária da mina, a Somincor, e o Estado Português, do contrato de alargamento da concessão do complexo mineiro, através da exploração de um novo depósito de cobre, num investimento total de 185 milhões de euros.

Segundo o primeiro-ministro, o Estado e os contribuintes não serão chamados a suportar perdas privadas "mesmo que possamos vir a ter perturbações, e já sabemos que elas existem hoje até na sociedade portuguesa bastante localizadas em termos de investimentos que foram feitos através de grupos privados, que hoje têm problemas para digerir".

A informação mais vista

+ Em Foco

Os dados do sistema de Informação de Fogos Florestais da União Europeia (EFFIS) indicam que só entre os dias 14 e 15 de outubro arderam em Portugal continental cerca de 200 mil hectares.

    Filipe Vasconcelos Romão, comentador de assuntos internacionais, refere que o artigo 155 da Constituição Espanhola será aplicado sem que haja qualquer lei de enquadramento.

    Impostos, orçamentos, metas para o próximo ano. A RTP descodifica a proposta de Orçamento do Estado apresentada pelo ministro das Finanças esta sexta-feira.

      Na primeira entrevista pós-autárquicas, à Antena 1, Jerónimo de Sousa não poupou nas palavras. Afirmou que o "Governo ficou mal na fotografia e subestimou a situação" dos fogos.