Governo admite que deve haver outra interpretação fiscal para portugueses residentes em paraísos fiscais

| Economia
Governo admite que deve haver outra interpretação fiscal para portugueses residentes em paraísos fiscais

O Governo reconhece que deveria ser alterada a situação que obriga os portugueses residentes em paraísos fiscais a pagar um elevado valor de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI).

Esses portugueses têm que pagar 7,5 por cento, enquanto que em Portugal se paga 0,7 por cento. Em declarações à jornalista da RDP Internacional Paula Machado, o secretário de Estado das Comunidades reconhece que deveria haver uma alteração desta situação.

José Cesário explica que o objetivo seria o combate à fraude e à fuga de capitais, mas admite que no caso dos portugueses que vivem e trabalham nesses países deveria ser feita outra interpretação por parte da administração fiscal.

Apesar deste reconhecimento, o secretário de Estado das Comunidades recusa apontar uma data para a correção desta situação. Os paraísos fiscais onde há uma presença significativa de portugueses são o Liechtenstein, Andorra, Bermudas e Mónaco.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

A Câmara Municipal de Lisboa está a colocar blocos de betão em passeios de zonas da capital portuguesa com grande fluxo de turistas.

A dois dias das eleições gerais em Angola a coligação CASA-CE, liderada por um dissidente da UNITA, encerrou a campanha eleitoral num grande comício com milhares de jovens em Luanda.

Morreu o ator norte-americano Jerry Lewis, um dos maiores nomes da comédia na Sétima Arte. Tinha 91 anos e morreu em casa em Las Vegas, nos Estados Unidos.

Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.