Governo admite que deve haver outra interpretação fiscal para portugueses residentes em paraísos fiscais

| Economia
Governo admite que deve haver outra interpretação fiscal para portugueses residentes em paraísos fiscais

O Governo reconhece que deveria ser alterada a situação que obriga os portugueses residentes em paraísos fiscais a pagar um elevado valor de Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI).

Esses portugueses têm que pagar 7,5 por cento, enquanto que em Portugal se paga 0,7 por cento. Em declarações à jornalista da RDP Internacional Paula Machado, o secretário de Estado das Comunidades reconhece que deveria haver uma alteração desta situação.

José Cesário explica que o objetivo seria o combate à fraude e à fuga de capitais, mas admite que no caso dos portugueses que vivem e trabalham nesses países deveria ser feita outra interpretação por parte da administração fiscal.

Apesar deste reconhecimento, o secretário de Estado das Comunidades recusa apontar uma data para a correção desta situação. Os paraísos fiscais onde há uma presença significativa de portugueses são o Liechtenstein, Andorra, Bermudas e Mónaco.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Passaram sete anos desde o início das “Primaveras Árabes”. Regimes mudaram, guerras civis rebentaram, houve conflitos que alteraram dinâmicas regionais e vazios de poder que deram origem a Estados falhados.

Veja ou reveja a primeira entrevista de Rui Rio depois de ter sido eleito presidente do PSD.

Na hora da despedida da liderança social-democrata, as juventudes partidárias olham para o legado do ex-primeiro-ministro, com uma pergunta em mente: se Portugal não falhou, o que dizer de Pedro Passos Coelho?

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.