Parcerias público-privadas são negócios de risco zero para os privados

| Economia
Parcerias público-privadas são negócios de risco zero para os privados

O editor de Economia da RTP, Paulo Ferreira, explica como funcionam as parcerias público-privadas, sublinhando que são negócios de risco zero para os privados.

No espaço de comentário económico diário da Antena1 “Contas do Dia”, Paulo Ferreira analisa o relatório do Tribunal de Contas que aponta as antigas SCUT como um exemplo de negócio que beneficiou as concessionárias e prejudicou os cofres do Estado.

Paulo Ferreira afirma que a grande questão é o risco, porque os privados conseguem fazer negócios sem qualquer risco.

De facto, o Tribunal de Contas recomenda neste relatório que de futuro só se avance para parcerias público-privadas depois de um estudo que prove os benefícios para as contas públicas, e mediante um amplo consenso que inclua o Parlamento.


Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.