Parcerias público-privadas são negócios de risco zero para os privados

| Economia
Parcerias público-privadas são negócios de risco zero para os privados

O editor de Economia da RTP, Paulo Ferreira, explica como funcionam as parcerias público-privadas, sublinhando que são negócios de risco zero para os privados.

No espaço de comentário económico diário da Antena1 “Contas do Dia”, Paulo Ferreira analisa o relatório do Tribunal de Contas que aponta as antigas SCUT como um exemplo de negócio que beneficiou as concessionárias e prejudicou os cofres do Estado.

Paulo Ferreira afirma que a grande questão é o risco, porque os privados conseguem fazer negócios sem qualquer risco.

De facto, o Tribunal de Contas recomenda neste relatório que de futuro só se avance para parcerias público-privadas depois de um estudo que prove os benefícios para as contas públicas, e mediante um amplo consenso que inclua o Parlamento.


Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.