Apreensões de metanfetaminas na Ásia subiram 60% para 227 milhões de pastilhas

| Mundo

As apreensões de metanfetaminas em 2012 nas zonas este e sudeste da Ásia totalizaram 227 milhões de pastilhas, mais 60% do que em 2011 e sete vezes mais do que em 2008, revelou hoje um departamento das Nações Unidas.

O relatório da organização internacional Contra a Droga e o Delito (UNODC) destaca que as metanfetaminas são a primeira droga consumida em 13 dos 15 países e territórios estudados e a sua utilização aumentou consideravelmente em países como o Camboja, China, Japão, Laos, Birmânia, Coreia do Sul, Tailândia e Vietname.

"O agravamento da situação tem um efeito dominó nos Governos locais ao colocar em risco o sistema penal e sanitário já que supõe uma ameaça para a segurança das pessoas", disse em comunicado Jeremy Douglas, representante regional do organismo das Nações Unidas.

A maior parte dos laboratórios clandestinos que produzem este tipo de estupefacientes estão localizados na Birmânia, acrescenta o documento ao salientar, também, que as drogas são ainda produzidas na China, malásia, Indonésia ou Filipinas, em região asiática, ou na Austrálias e Nova Zelândia, no Pacífico.

A China com 102 milhões de pastilhas confiscadas e a Tailândia com 95 milhões são os países que maiores apreensões realizaram ao longo de 2012.

Tópicos:

Camboja, Tailândia, Zelândia,

A informação mais vista

+ Em Foco

O vinho e o queijo, a simpatia dos portugueses e o bom tempo. A ainda embaixatriz dos EUA só tem um defeito a apontar: a forma como os portugueses lidam com os erros. Kim Sawyer conta a sua história de vida à RTP.

    Em entrevista à Antena 1, o eurodeputado considera que a estabilidade pode ser minada pela polémica da TSU.

    Amir Ashour é o primeiro iraquiano a dar a cara pelos direitos gay no seu país. Em segurança na Suécia, revela à RTP episódios de tortura e de rejeição.

      O antigo Presidente da República morreu aos 92 anos. Recordamos aqui os principais momentos de uma figura incontornável da História de Portugal.