Bernardo Pires de Lima condena passividade da Europa

| Mundo
Bernardo Pires de Lima condena passividade da Europa

Crise dos refugiados esbarra na passividade dos organismos europeus.

Bernardo Pires de Lima, comentador de assuntos internacionais da Antena 1, estranha que perante o agravamento da crise a cada dia que passa os organismos europeus esperem mais duas semanas para tentar encontrar uma solução.

A Áustria decidiu apertar o controlo nas fronteiras para tentar travar a entrada de refugiados.

A medida anunciada esta segunda-feira de manhã, surge dois dias depois das autoridades terem encontrado mais de 70 corpos no interior de um camião abandonado na semana passada.

Por causa deste reforço de vigilância, formou-se uma fila de cerca de 20 quilómetros de automóveis ainda na Hungria. Viaturas que tentam entrar em território austríaco.

Na última noite mais 37 pessoas morreram na sequência de um naufrágio junto à costa da Líbia.

Desde o início do ano já morreram mais de 2 mil e 300 pessoas e o número de refugiados que chegam às fronteiras da Europa também não para de aumentar.

Com a crise a ganhar um a nova dimensão todos os dias é perante este cenário que Bruxelas decidiu marcar uma cimeira de ministros do interior para o próximo dia 14 de setembro.

Os preparativos para este encontro começam hoje em Berlim num encontro entre a chanceler alemã e o líder do governo espanhol. De França o primeiro-ministro e o ministro do Interior estarão de visita a Calais, localidade onde estão instalados milhares de refugiados em campos de acolhimento, a chamada selva.


A informação mais vista

+ Em Foco

Entre as 21h00 de domingo e as 8h00 de segunda-feira, o mundo viu uma chuva de Perseidas, espetáculo habitual em agosto. Nos locais mais remotos, foi possível admirar melhor o fenómeno.

    É um desejo antigo do Homem poder tocar as estrelas. Um feito que parece ser agora "quase" alcançável através da missão espacial solar Parker.

      Uma semana depois de as chamas deflagrarem em Monchique, a Proteção Civil deu o incêndio como dominado e em fase de resolução. Portugal volta a ser o país com mais área ardida na Europa.

        A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado. Observado de cima, o solo assemelha-se a uma peça de arte cheia de cores e texturas.