Bernardo Pires de Lima condena passividade da Europa

| Mundo
Bernardo Pires de Lima condena passividade da Europa

Crise dos refugiados esbarra na passividade dos organismos europeus.

Bernardo Pires de Lima, comentador de assuntos internacionais da Antena 1, estranha que perante o agravamento da crise a cada dia que passa os organismos europeus esperem mais duas semanas para tentar encontrar uma solução.

A Áustria decidiu apertar o controlo nas fronteiras para tentar travar a entrada de refugiados.

A medida anunciada esta segunda-feira de manhã, surge dois dias depois das autoridades terem encontrado mais de 70 corpos no interior de um camião abandonado na semana passada.

Por causa deste reforço de vigilância, formou-se uma fila de cerca de 20 quilómetros de automóveis ainda na Hungria. Viaturas que tentam entrar em território austríaco.

Na última noite mais 37 pessoas morreram na sequência de um naufrágio junto à costa da Líbia.

Desde o início do ano já morreram mais de 2 mil e 300 pessoas e o número de refugiados que chegam às fronteiras da Europa também não para de aumentar.

Com a crise a ganhar um a nova dimensão todos os dias é perante este cenário que Bruxelas decidiu marcar uma cimeira de ministros do interior para o próximo dia 14 de setembro.

Os preparativos para este encontro começam hoje em Berlim num encontro entre a chanceler alemã e o líder do governo espanhol. De França o primeiro-ministro e o ministro do Interior estarão de visita a Calais, localidade onde estão instalados milhares de refugiados em campos de acolhimento, a chamada selva.


A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.