Conselho de Direitos Humanos da ONU condena uso de armas químicas na Síria

| Mundo

O Conselho de Direitos Humanos da ONU denunciou hoje pela primeira vez o uso de armas químicas na Síria, numa resolução que não aponta responsáveis pelos ataques.

No texto, proposto por 11 países - entre os quais os Estados Unidos, França, Turquia e Arábia Saudita -, o Conselho "condena com firmeza o recurso a armas químicas, proibido pela legislação internacional" e que "constitui um crime grave com efeitos devastadores para a população civil".

O texto não faz qualquer referência aos autores dos ataques com armas químicas, uma condição de vários países para a votarem favoravelmente.

A resolução foi adotada com 40 votos a favor, um contra (Venezuela) e seis abstenções (Cazaquistão, Equador, Etiópia, Filipinas, Índia e Quénia). A Rússia e a China, aliados da Síria, não pertencem atualmente ao Conselho de Direitos Humanos.

O texto hoje aprovado é o 12.º relacionado com o conflito na Síria, mas o primeiro a evocar o uso de armas químicas e o primeiro a recolher tantos votos.

A resolução sublinha por outro lado que o Governo de Bashar al-Assad deve autorizar a entrada no país da comissão criada pela ONU para investigar os crimes cometidos por ambas as partes no conflito.

Durante o debate no Conselho, o representante da Síria, Faysal Hamoui, rejeitou a resolução, classificando-a de "politizada" e centrada na exigência de cooperação com uma comissão "criada ilegalmente e que há dois anos trabalha com base em informações que é incapaz de documentar".

Uma equipa de inspetores da ONU concluiu, num relatório apresentado a 16 de setembro, que foram usadas armas químicas em grande escala no conflito sírio.

Os inspetores encontraram "provas flagrantes e convincentes" de que centenas de pessoas morreram devido à utilização de gás `sarin` num ataque perto de Damasco a 21 de agosto.

Tópicos:

Bashar, Damasco, ONU,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Em Cuba, os Castro passam o testemunho do poder, que mantiveram durante quase 60 anos.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.