Governo cabo-verdiano lamenta morte do Presidente da Guiné-Bissau

| Mundo

O ministro das Relações Exteriores cabo-verdiano lamentou hoje a morte de "um grande amigo de Cabo Verde", sublinhando que o Presidente Malam Bacai Sanhá "desempenhou bem as funções" e manteve o "equilíbrio" na Guiné-Bissau.

"O Governo de Cabo Verde ficou espantado com a morte de Malam Bacai Sanhá e lamenta a morte de uma personalidade histórica", disse Jorge Borges aos jornalistas na capital cabo-verdiana, ainda surpreendido com a notícia divulgada hoje pela Presidência guineense.

O Presidente da Guiné-Bissau, Malam Bacai Sanhá, morreu hoje no hospital Val de Grâce, em Paris, anunciou a Presidência guineense em comunicado.

O porta-voz da Presidência, Agnelo Regala, disse à Lusa que Malam Bacai Sanhá morreu na manhã de hoje às 11:10 (hora local, 10:10 em Lisboa) na unidade hospitalar francesa, onde se encontrava internado desde finais de novembro.

O ministro das Relações Exteriores de Cabo Verde manifestou a esperança de que a morte de Malam Bacai Sanhá "não prejudique o clima político" na Guiné-Bissau e apelou ao "respeito pela normalidade democrática".

O chefe da diplomacia cabo-verdiana lembrou que em dezembro houve "um pequeno incidente", garantindo que "está tudo ultrapassado", referindo-se à crise militar do passado dia 26, que resultou na morte de duas pessoas e na prisão do chefe de Estado da Armada, Bubo Na Tchuto, mais outras 25 pessoas.

O ministro cabo-verdiano garantiu que o seu país estará representado nas cerimónias fúnebres, tudo dependendo agora do calendário que será acertado e definido pelo Governo guineense.

 

Tópicos:

Armada Bubo, Val Grâce,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à Antena 1, o antigo Presidente da República percorre os contornos do pacto estratégico para o país que propôs dois dias antes do 25 de Abril. E elogia o secretário-geral do PCP.

O jornalista e ativista argentino Aldo Casas esteve em Portugal após o 25 de Abril, entre 1974 e 1977. Volvidos 42 anos, designa como “inesquecíveis” as vivências desses anos.

    Cinco homens, quatro mulheres, nove candidatos à posição de secretário-geral da Organização das Nações Unidas. Incluindo o antigo primeiro-ministro português António Guterres.

      Completam-se agora 100 anos sobre o início da beligerância portuguesa. Uma data assinalada pela RTP com a publicação online dos seus mais significativos materiais de arquivo sobre o tema.