Governo cabo-verdiano lamenta morte do Presidente da Guiné-Bissau

| Mundo

O ministro das Relações Exteriores cabo-verdiano lamentou hoje a morte de "um grande amigo de Cabo Verde", sublinhando que o Presidente Malam Bacai Sanhá "desempenhou bem as funções" e manteve o "equilíbrio" na Guiné-Bissau.

"O Governo de Cabo Verde ficou espantado com a morte de Malam Bacai Sanhá e lamenta a morte de uma personalidade histórica", disse Jorge Borges aos jornalistas na capital cabo-verdiana, ainda surpreendido com a notícia divulgada hoje pela Presidência guineense.

O Presidente da Guiné-Bissau, Malam Bacai Sanhá, morreu hoje no hospital Val de Grâce, em Paris, anunciou a Presidência guineense em comunicado.

O porta-voz da Presidência, Agnelo Regala, disse à Lusa que Malam Bacai Sanhá morreu na manhã de hoje às 11:10 (hora local, 10:10 em Lisboa) na unidade hospitalar francesa, onde se encontrava internado desde finais de novembro.

O ministro das Relações Exteriores de Cabo Verde manifestou a esperança de que a morte de Malam Bacai Sanhá "não prejudique o clima político" na Guiné-Bissau e apelou ao "respeito pela normalidade democrática".

O chefe da diplomacia cabo-verdiana lembrou que em dezembro houve "um pequeno incidente", garantindo que "está tudo ultrapassado", referindo-se à crise militar do passado dia 26, que resultou na morte de duas pessoas e na prisão do chefe de Estado da Armada, Bubo Na Tchuto, mais outras 25 pessoas.

O ministro cabo-verdiano garantiu que o seu país estará representado nas cerimónias fúnebres, tudo dependendo agora do calendário que será acertado e definido pelo Governo guineense.

 

Tópicos:

Armada Bubo, Val Grâce,

A informação mais vista

+ Em Foco

O primeiro registo de imagem de uma posse presidencial na América é de março de 1857, quando James Buchanan se tornou o 15.º Presidente.

    Milhões de pessoas, por todo o mundo. No dia seguinte à tomada de posse multiplicaram-se as manifestações contra Donald Trump. Os protestos aconteceram em pelo menos 60 países.

      Amir Ashour é o primeiro iraquiano a dar a cara pelos direitos gay no seu país. Em segurança na Suécia, revela à RTP episódios de tortura e de rejeição.

        Nos 60 anos da Gulbenkian, a RTP deu uma volta pelo museu da fundação e continua a mostrar as obras mais significativas.