Homem entrou numa base militar na Indonésia à procura de pokémons

| Mundo

Um francês apanhado a transgredir uma base militar na Indonésia confessou que estava a jogar o "Pokemon Go" e saiu acidentalmente do trajeto, disse hoje a polícia.

Romain Pierre, de 27 anos, estava a dar uma corrida à tarde e a tentar apanhar "monstros de bolso" que segundo o jogo se escondem no mundo real, quando entrou no complexo de alta segurança, disse o porta-voz da polícia do oeste de Java, Yusri Yunus.

"Disse que estava a caçar `pokemons` ", explicou Yunus, em referência às criaturas que devem ser procuradas e apanhadas segundo as indicações do jogo que recorre à realidade aumentada, que faz os jogadores percorrerem e explorarem vastas áreas.

O francês, em viagem de negócios na cidade portuária de Cirebon, tentou fugir quando foi apanhado, mas ficou detido por várias horas para interrogações, antes de ser libertado nas primeiras horas da manhã de hoje.

Um porta-voz dos militares pediu à população para ser vigilante, ao indicar que o jogo pode ser usado como camuflagem para atividade criminosa.

"É possível que haja muitos estranhos a tentar entrar em propriedades privadas para cometer crimes, mas depois fingem que estão a caçar `pokemons` ", disse o militar.

O jogo exclusivo para dispositivos móveis lançado há duas semanas pela Nintendo e que sobrepõe, no ecrã, `pokemons` a imagens reais do mundo exterior, tem sido apontado como causa de uma onda de crimes, violações no trânsito e queixas em vários locais do mundo.

A informação mais vista

+ Em Foco

Em entrevista à RTP, o candidato derrotado nas diretas do PSD diz que o partido deve serenar após o Congresso e admite que vai ser “muito difícil ganhar eleições" no quadro atual.

Nicolás Maduro quer alargar poderes e, para tal, leva a cabo eleições antecipadas. É um "golpe constitucional", na leitura de Filipe Vasconcelos Romão, comentador da Antena 1.

Abrir uma torneira e vê-la jorrar água. É um ato tão comum que nunca imaginamos um dia em que tal quadro possa desaparecer. Algo que está prestes a tornar-se realidade na África do Sul.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.