Quem podia esclarecer o desastre aéreo saiu de cena - Chissano

| Mundo

O ex-Presidente de Moçambique Joaquim Chissano disse hoje que as personalidades do "apartheid" que podiam esclarecer o desastre aéreo que vitimou há trinta anos Samora Machel saíram de cena e que é difícil de apurar a verdade.

"O que falta aqui é que os atores principais ou já não estão em cena ou é difícil encontrá-los, porque o `apartheid` acabou e muitos deles morreram", declarou Joaquim Chissano aos jornalistas à margem da cerimónia em Maputo de homenagem ao primeiro chefe de Estado moçambicano, falecido a 19 de outubro de 1986.

Chissano, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros de Machel e que lhe sucedeu como chefe de Estado, disse que se referia ao antigo Presidente sul-africano durante o regime de minoria branca "apartheid" Pieter Botha e ao ex-ministro da Defesa Magnus Malan, ambos já desaparecidos, e "aos generais que poderiam esclarecer o segredo revelado pela caixa negra [do avião] durante as investigações".

O antigo estadista moçambicano fazia uma alusão a um alegado rádio-farol (VOR) falso que terá sido colocado na véspera do desastre em Mbuzini, local da queda do aparelho que transportava Machel, com objetivo de desviá-lo na sua aproximação ao Aeroporto Internacional de Maputo.

Este assunto, disse hoje Chissano, "não foi cavado e é difícil cavar agora", quando a suposta existência do VOR falso pode ser a chave para a explicação da queda do Tupolev 134, de fabrico russo, que matou Machel e 34 membros da sua comitiva no regresso a Maputo de uma viagem à Zâmbia.

As autoridades moçambicanas usaram várias vezes a versão de que o avião foi derrubado intencionalmente pelo então regime sul-africano do "apartheid", mas as investigações foram inconclusivas, persistindo dúvidas sobre a existência do rádio-farol e quem o colocou no local, além da suposta realização de exercícios militares na região do desastre.

"O inquérito foi inconclusivo porque aqueles que podiam responder a essas perguntas recusaram-se a responder e outros recusaram-se a continuar a investigar, até que morreram", comentou o ex-chefe de Estado, acrescentando que o exército sul-africano mantinha muitos segredos, incluindo "um exército secreto dentro do exército, que fazia o que entendia e matava em toda a região, de Angola a Dar-es-Salam".

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, disse hoje, na cerimónia de homenagem a Machel, que "a justiça ainda deve ser feita", referindo-se às causas da morte do estadista, depois de na segunda-feira o primeiro-ministro, Carlos Agostinho do Rosário, ter declarado numa cerimónia em Mbuzini que se tratou de um assassínio, cuja explicação é "uma prioridade nacional e um imperativo patriótico".

Mas Joaquim Chissano considera difícil que a verdade venha um dia a ser conhecida.

"Não sei como. A esperança é sempre a ultima a morrer, mas não é uma coisa para mim palpável, que eu possa ver os caminhos que possam conduzir a isso", referindo que ele próprio, se fosse incumbido para investigar, não saberia como.

"Vamos dizer assim: que um dia se faça justiça, que um dia a luz venha ao de cima, mas não posso dizer como", afirmou ainda.

Tópicos:

Machel, Moçambique, Samora,

A informação mais vista

+ Em Foco

Ao longo desta semana, há vozes com sotaque de Nações Unidas para ouvir na Antena 1 e no site da RTP. Testemunhos de estrangeiros em Portugal recolhidos a poucos dias de António Guterres assumir a liderança da ONU.

    Nasceu em 1951 e já foi um local com uma vida própria e entusiasmante nos arredores de Cascais. Ao longo dos anos, o Edifício Cruzeiro foi-se degradando. Agora terá nova vida.

      Um velho enigma pode estar explicado: por que continua a ilha de Santa Maria a erguer-se acima do nível do mar? Ricardo Ramalho resume para o site da RTP a investigação mais recente.

        Uma rubrica do site da RTP e do Jornal 2 dentro do contexto evocativo do centenário da Grande Guerra. Emitida todas as segundas-feiras.