CarrisTur decide greves no Natal e Ano Novo

| País

|

Os trabalhadores da CarrisTur votaram ontem em plenário uma série de paralisações por aumentos salariais, coincidindo com as datas-chave da quadra festiva. A solução, dizem, está ao alcance da mão e é responsabilidade do Governo e da Administração não ter sido alcançada.

Um comunicado da Fectrans - Federação de Sindicatos de Transportes e Comunicações -  refere que as formas de luta adoptadas visam "a redução de salários implementada a partir de Fevereiro passado, quando foi suspenso o CCTV do sector privado de passageiros".
Calendário da greve

Greves de 24 horas: Dezembro, 23, 24 e 30; Janeiro, 1

Greves de 2 horas por turno: 25 a 30 de Janeiro

O conflito, diz o comunicado, seria fácil de resolver, porque existe dinheiro e porque se admite a justeza e a obrigação legal de proceder aos aumentos salariais reivindicados.

Com efeito, afirma-se, "este conflito resulta de uma situação 'sui generis' em que a administração diz que os trabalhadores têm razão, o Ministro da Tutela afirma o mesmo", tudo num contexto em que a empresa registou lucros em 2016.

E, no entanto, o salário mantém-se em 560€, quando legalmente seria obrigatório que estivesse em 630€. Ora, o aumento de 70 € seria muito inferior aos lucros de 2016 e pouparia à empresa o prejuízo que, admite-se no comunicado, a greve irá trazer-lhe na época de Natal e Ano Novo.

A organização sindical manifesta também a disponibilidade dos trabalhadores para negociarem, mas salientando que teria de haver abertura da parte da Administração para resolver o problema.

A informação mais vista

+ Em Foco

A RTP disponibiliza agora uma nova aplicação: apresenta as notícias do dia em texto, vídeo e áudio, alertas de última hora e as emissões da RTP3 e Antena 1.

Em dez anos, o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem condenou o Estado 18 vezes em casos de liberdade de expressão.

    Londres é o grande centro financeiro para negócios internacionais e comércio da Europa e um dos principais centros de liderança da economia global. Corre o risco de ser desmantelada.

      É difícil eleger a ordem de importância dos assuntos que fizeram a agenda deste mês de Administração Trump, porque o novo presidente americano tem esse condão de transformar qualquer questão menor numa autêntica bomba atómica.