CNIPE satisfeita com gratuitidade de manuais mas preocupada com IRS

| País

A Confederação Nacional Independente de Pais e Encarregados de Educação considerou hoje que a gratuitidade de manuais escolares no 1.º Ciclo vai "aliviar muito" a carteira das famílias, mas lamentou a redução das deduções em sede de IRS.

A CNIPE fez parte do grupo de trabalho em que esta decisão foi trabalhada com o Ministério da Educação, indicou à agência Lusa o responsável pela organização, Rui Martins, frisando que há pormenores a acertar sobre o modelo a praticar no que diz respeito às bolsas de livros e se devem ficar ou não dentro da sala de aula.

O governo decidiu disponibilizar este ano os manuais escolares aos alunos do 1.º ano, para serem reutilizados no ano seguinte por outras crianças, e na proposta de Orçamento do Estado para 2017, estendeu a medida a todo o 1.º Ciclo (do 1.º ao 4.º ano de escolaridade).

"De alguma forma vem aliviar muito a carteira das famílias nestes primeiros anos do ensino, portanto vemos isto com bons olhos", disse.

Questionado sobre outras medidas que gostaria de ver incluídas no orçamento e que tenham ficado excluídas, o dirigente associativo afirmou que há uma preocupação dos pais ao nível fiscal.

"Há uma redução no abatimento em sede de IRS do montante, para metade. Em contrapartida, parece que pode entrar tudo", afirmou.

"O ideal seria manter os mesmos limites e que todas as despesas ligadas à educação fossem dedutíveis. Isso é que faria sentido", defendeu Rui Martins.

O orçamento para o ensino básico, secundário e administração escolar será reforçado com quase 180 milhões de euros face a 2016, segundo a proposta do Orçamento do Estado para 2017, que atribui à educação 6.022,7 milhões de euros.

O Governo apresentou na sexta-feira a proposta de Orçamento do Estado de 2017, que prevê um crescimento económico de 1,5%, um défice de 1,6% do PIB, uma inflação de 1,5% e uma taxa de desemprego de 10,3%.

Tópicos:

IRS,

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.