Fenprof recorre a tribunais para obrigar Ministério a vincular professores

| País

O Ministério da Educação anunciou na semana passada a abertura de um concurso extraordinário para integrar nos quadros cerca de 600 docentes contratados
|

Forçar o Ministério da Educação a integrar nos quadros milhares de docentes com vínculos precários é o objetivo de um conjunto de ações que a Fenprof começa a apresentar esta quinta-feira em diferentes tribunais do país. Em causa, alega a Federação Nacional dos Professores, está a “aplicação da diretiva comunitária que impõe o respeito, no sector público, pelas normas de vinculação de trabalhadores que se aplicam no sector privado”. A estrutura encabeçada por Mário Nogueira estima que o concurso para vinculação extraordinária anunciado na semana passada pelo ministro Nuno Crato exclui 90 por cento dos profissionais elegíveis.

As ações são apresentadas ao longo do dia no Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa e nos tribunais administrativos e fiscais de Coimbra, Porto e Beja, neste último através da Internet. Na Madeira e nos Açores “as ações serão entregues nos primeiros dias de janeiro”, segundo um comunicado ontem difundido pela Federação Nacional dos Professores.
A Fenprof calcula que o concurso externo extraordinário anunciado pelo Ministério da Educação e Ciência exclua dos quadros “cerca de 90 por cento” dos professores com direito a vinculação, por trabalharem há vários anos com contratos sucessivos em escolas públicas.

“A norma que se aplica no sector privado deve aplicar-se no sector público. Se ao fim de três anos de contrato a termo o docente continua a ser necessário, no quarto ano tem de ser, então, aplicada a norma de vinculação”, sustentou o secretário-geral da Fenprof, ouvido pela agência Lusa a poucas horas de se dirigir ao Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa.

A iniciativa, enfatizou Mário Nogueira, “tem a ver com a necessidade de o Governo português cumprir as regras que estão definidas por uma diretiva comunitária relativamente ao ingresso nos quadros dos trabalhadores da Função Pública e concretamente dos professores”.

A Fenprof apoia-se numa diretiva de comunitária de 1998 que, sublinhou o mesmo dirigente sindical, “aponta para a necessidade de os Estados obedecerem a normas semelhantes na legislação laboral, no que diz respeito à vinculação”.
Medida “meramente contabilística”

Foi após a reunião do Conselho de Ministros da passada quinta-feira que Nuno Crato anunciou a abertura de um concurso extraordinário, a colocar em marcha “nos próximos três a quatro meses”, para a integração nos quadros de “aproximadamente 600 professores”. Explicava à data o ministro da Educação e Ciência que estariam habilitados a concorrer “os professores que nos últimos três anos” tivessem “trabalhado durante 365 dias no ensino público”.

Nuno Crato argumentaria que o seu Ministério levara em linha de conta a “situação financeira difícil do país”, calculando as necessidades de docentes “com base no que se passou nos últimos quatro anos”. De acordo com as contas da tutela, este processo de passagem aos quadros terá um custo anual de 1,3 milhões de euros. Verba que o governante descreveu como “um grande esforço financeiro por parte do Estado”.

Pouco depois do anúncio da abertura do concurso, o secretário-geral da Fenprof saiu a terreiro para assinalar que, do universo de seis mil professores com dez ou mais anos de serviço, “90 por cento vão ficar de fora daquilo a que deveriam ter direito”. “Se tivéssemos em consideração aquilo que a lei geral diz [três anos]”, advertia então Mário Nogueira, “seriam mais de 12 mil” os docentes a vincular.

Também a Federação Nacional da Educação desvalorizou o alcance do concurso a abrir pelo Ministério da Educação, considerando-o uma medida “meramente contabilística” que “ignora preocupações de ordem pedagógica e de promoção de um efetivo combate ao abandono escolar precoce e ao insucesso escolar”. O número de vagas em causa não corresponde, para a FNE, “nem às necessidades permanentes, nem às necessidades efetivas de um sistema educativo que queira responder às exigências de qualidade e de equidade”.

A FNE conta igualmente recorrer à Justiça com vista a obter a integração de professores em situação precária, o que deverá acontecer no início de 2013.

Tópicos:

Ações, Concurso, Contratados, Docentes, Escolas, Fenprof, Integração, Ministério da Educação e Ciência, Mário Nogueira, Nuno Crato, Professores, Quadro, Tribunais,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 17 de junho, Portugal começou a assistir ao mais mortífero incêndio de sempre. A paisagem de Pedrógão Grande mantém-se em tons de sépia. Um cenário captado pelo fotojornalista Pedro A. Pina.

    Hotéis de luxo e restaurantes de autor crescem ao lado de quem vive sem água ou luz. A Comporta tem um novo proprietário que quer transformar aquela zona num local para estrangeiros ricos.

    O Parque das Nações vai receber as duas semifinais e a final nos dias 8, 10 e 12 de maio do próximo ano. Já o festival português vai decorrer em Guimarães.

    Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A caminho das autárquicas a Antena 1 fixa o país em 20 retratos.