GNR concentra-se em Ludares em busca do suspeito dos crimes de Aguiar da Beira

| País

As equipas da GNR começaram hoje a movimentar-se ao final da tarde por aldeias de Vila Real em busca do suspeito dos crimes de Aguiar da Beira, tendo-se concentrado em Ludares.

Depois das buscas hoje na Quinta da Gregoça, em Sabrosa, Vila Real, ao final da tarde começaram movimentações de militares da GNR pelas aldeias onde o suspeito foi avistado nos últimos dias.

Cerca das 19:00 os militares deixaram a aldeia de Carro Queimado e seguiram para Assento, São Martinho de Anta e Ludares.

Pelo menos duas equipas cinotécnicas da GNR foram avistadas nas bermas das estradas de Ludares, estando alguns militares equipados com passa-montanhas.

Aos jornalistas que têm acompanhado as atividades dos militares ao longo do dia foi dito: "ajudam se saírem daqui".

O homem procurado hoje na Quinta da Gregoça é suspeito de matar um militar e um civil, em Aguiar da Beira, distrito da Guarda, além de ter causado ferimentos a outras duas pessoas, uma delas também militar da GNR, e tem sido procurado pela GNR e pela Polícia Judiciária desde o dia 11, data dos primeiros acontecimentos.

Na fuga, o homem terá sido já localizado em Arouca, distrito de Aveiro, de onde será natural, e na zona de São Pedro do Sul, onde um militar da GNR se terá baleado a si próprio, numa queda.

No domingo, uma patrulha da GNR também terá localizado o suspeito, em Vila Real, mas o homem acabou por conseguir novamente fugir.

Na segunda-feira, ao final da tarde, junto à aldeia de Carro Queimado, foi encontrada a viatura que o homem terá roubado em Arouca para se deslocar até Vila Real.

Em Arouca, o homem também terá sequestrado duas pessoas, causando-lhes igualmente alguns ferimentos.

Tópicos:

Aguiar, Anta, Gregoça,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Por que razão não voltou o Homem ao satélite natural da Terra desde a década de 70 do século XX? Uma das explicações pode estar na poeira que cobre a superfície da Lua.