GNR concentra-se em Ludares em busca do suspeito dos crimes de Aguiar da Beira

| País

As equipas da GNR começaram hoje a movimentar-se ao final da tarde por aldeias de Vila Real em busca do suspeito dos crimes de Aguiar da Beira, tendo-se concentrado em Ludares.

Depois das buscas hoje na Quinta da Gregoça, em Sabrosa, Vila Real, ao final da tarde começaram movimentações de militares da GNR pelas aldeias onde o suspeito foi avistado nos últimos dias.

Cerca das 19:00 os militares deixaram a aldeia de Carro Queimado e seguiram para Assento, São Martinho de Anta e Ludares.

Pelo menos duas equipas cinotécnicas da GNR foram avistadas nas bermas das estradas de Ludares, estando alguns militares equipados com passa-montanhas.

Aos jornalistas que têm acompanhado as atividades dos militares ao longo do dia foi dito: "ajudam se saírem daqui".

O homem procurado hoje na Quinta da Gregoça é suspeito de matar um militar e um civil, em Aguiar da Beira, distrito da Guarda, além de ter causado ferimentos a outras duas pessoas, uma delas também militar da GNR, e tem sido procurado pela GNR e pela Polícia Judiciária desde o dia 11, data dos primeiros acontecimentos.

Na fuga, o homem terá sido já localizado em Arouca, distrito de Aveiro, de onde será natural, e na zona de São Pedro do Sul, onde um militar da GNR se terá baleado a si próprio, numa queda.

No domingo, uma patrulha da GNR também terá localizado o suspeito, em Vila Real, mas o homem acabou por conseguir novamente fugir.

Na segunda-feira, ao final da tarde, junto à aldeia de Carro Queimado, foi encontrada a viatura que o homem terá roubado em Arouca para se deslocar até Vila Real.

Em Arouca, o homem também terá sequestrado duas pessoas, causando-lhes igualmente alguns ferimentos.

Tópicos:

Aguiar, Anta, Gregoça,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Um dos mais conceituados politólogos sul-coreanos revelou à RTP o modo de pensar e agir de Pyongyang.

    Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.