Quercus diz que produção de resíduos perigosos no país é desconhecida

| País
Quercus diz que produção de resíduos perigosos no país é desconhecida

Foto: Reuters/Mohamed Azakir

A Quercus lamenta que o Ministério do Ambiente não conheça a quantidade de resíduos industriais perigosos produzida no país, permitindo que toneladas destes resíduos possam ser encaminhadas para situações ilegais.

Os ambientalistas não acreditam no número avançado à Antena1 pelo presidente da Agência Portuguesa do Ambiente, Nuno Lacasta, que quantifica em 254 mil toneladas a produção de resíduos perigosos no ano passado, ao mesmo tempo que assegura que, no essencial, não se perde o rasto dos residuos perigosos em Portugal.

Rui Berkemeier, da Quercus, contrapõe afirmando que esse número é relativo a um estudo e não à situação real que se vive no país. E acusa os serviços do Ministério do Ambiente de não terem capacidade para obterem um levantamento preciso da produção de resíduos perigosos.

Esta discussão surge na sequência da investigação da jornalista da Antena1 Rita Colaço, que pode conferir aqui.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

O antigo procurador-geral da República do Brasil revelou à RTP que já recebeu várias ameaças de morte e defendeu uma reforma profunda do sistema político brasileiro.

Quando Ana Paula Vitorino indicou Lídia Sequeira, a economista ainda era gerente da sua empresa, o que viola a lei em matéria de incompatibilidades e o dever de imparcialidade.

Em seis anos, as investigações sucederam-se, sem poupar ninguém, da política ao futebol e à banca, seguindo a bandeira da ainda procuradora geral, o combate à corrupção.

    O Conselho Europeu informal de Salzburgo tem em cima da mesa dossiers sensíveis, com a imigração e o Brexit no topo da agenda. A RTP preparou um conjunto de reportagens especiais sobre esta cimeira.