Quercus luta contra barragens e parque eólico no Douro no 30.º aniversário

| País

A associação ambientalista Quercus elege como principais batalhas, na altura em que comemora o seu 30.º aniversário, a contestação às barragens a construir na bacia do Tâmega e ao parque eólico que "vai afetar" o Douro Património Mundial.

A organização assinala três décadas de atividade no sábado, em Vila Real, com a entrega dos Prémios Quercus 2015 e uma conferência subordinada ao tema "Cidadania pelo Ambiente".

Falando hoje à agência Lusa, o presidente da Quercus, João Branco disse que, nesta altura, a associação elege como principais batalhas a luta contra a construção das barragens no rio Tâmega, as três concessionadas à espanhola Iberdrola e a de Fridão concessionada à EDP, e ainda o parque eólico previsto para Torre de Moncorvo/Carrazeda de Ansiães, com área inserida na zona especial de proteção do Douro Património Mundial da Humanidade.

"Porque consideramos que o direito à paisagem é um direito dos cidadãos e achamos absurdo que uma empresa de capitais estrangeiros venha alterar de forma drástica, estamos a falar de 30 aerogeradores do tamanho de 40 andares, uma paisagem que foi construída durante séculos", afirmou João Branco.

Em outubro, a associação apresentou uma queixa à Unesco por causa de "mais este atentado" à paisagem cultural do Alto Douro Vinhateiro e apelou à organização internacional para intervir preventivamente junto do Governo português.

João Branco anunciou ainda que, em novembro, a Quercus avança com a campanha "EDP e Iberdrola fora do Tâmega" que pretende chamar a atenção pública sobre a questão das barragens que integram o Sistema Eletroprodutor do Tâmega (SET) e a do Fridão.

O dirigente referiu ainda que se está a "preparar o reforço" de uma queixa feita há quatro anos à Comissão Europeia contra as três barragens do Alto Tâmega "por violação de diretivas comunitárias, nomeadamente a diretiva da água".

Perante a falta de resposta em quatro anos, João Branco lamentou que a queixa "esteja a ser metida na gaveta" e considerou que se trata de uma "situação vergonhosa".

Um dos primeiros concelhos a entrar em obra no âmbito do Sistema Eletroprodutor do Tâmega, que inclui as barragens de Gouvães, Alto Tâmega e Daivões, está a ser o de Ribeira de Pena, onde estão a decorrer trabalhos a nível da construção de acessos e de um túnel de 700 metros que fará a ligação à central hidroelétrica.

Estas barragens vão ainda afetar Vila Pouca de Aguiar, Chaves, Boticas e Celorico de Basto.

João Branco considerou que este é um empreendimento "inútil e prejudicial" para a economia local e o ambiente, ameaçando espécies protegidas como o lobo ibérico.

Foi em finais de finais de 1984 que alguns ativistas, provenientes de diversas associações ambientalistas, decidiram criar uma nova organização que desse corpo à necessidade que se fazia sentir da existência de uma associação mais atuante na área da conservação da natureza.

Atualmente a associação está espalhada praticamente por todo o país, possuindo 18 delegações regionais.

João Branco disse que muita coisa mudou nestes 30 anos e que o país possui uma maior consciencialização ambiental.

"Hoje todos os setores da sociedade falam da causa ambiental, desde o Governo à igreja, as empresas, etc. Houve uma grande mudança de mentalidades", frisou.

E, na sua opinião, a própria política também evoluiu. "Basta ver que hoje existe um Ministério do Ambiente e os próprios políticos têm desenvolvido políticas válidas a nível ambiental. Eu estou a lembrar-me, por exemplo, da proibição dos sacos de plástico", salientou.

Tópicos:

Eletroprodutor, Gouvães Tâmega, Pouca Aguiar Chaves Boticas Celorico, Torre Moncorvo Carrazeda,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

    Quase seis décadas depois, a Presidência de Cuba deixou de estar nas mãos de um membro do clã Castro.

    Porto Santo tem em curso um projeto para se transformar na primeira ilha do planeta livre de combustíveis fósseis.

    Uma caricatura do mundo em que vivemos.