Presidente lança dúvidas sobre os salários na Caixa

| Política
Presidente lança dúvidas sobre os salários na Caixa

A ver: Presidente lança dúvidas sobre os salários na Caixa

Marcelo Rebelo de Sousa disse que "não é possível nem desejável" pagar aos gestores de um banco com dinheiros públicos o mesmo que se paga num banco privado.

São mais de 2,5 milhões que a Caixa Geral de Depósitos vai pagar aos novos administradores - uma fatura criticada pelo presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa até promulgou o decreto de lei do governo que permite os aumentos - mas questiona os valores.

Os salários dos gestores do banco público dividem Governo e partidos que o apoiam. No parlamento, António Costa teve de ouvir os avisos de Catarina Martins.

O primeiro-ministro acabou por não responder à intervenção incómoda de Catarina Martins. Na bancada do PSD foram visíveis os sorrisos.

O assunto chegou ao plenário no dia em que foi chumbada uma proposta do PCP para limitar os salários dos gestores publicos ao valor do vencimento do primeiro ministro. PS e PSD votaram contra.

No entender dos socialistas o voto do PSD prova que, afinal, até concorda com o modelo seguido pelo Governo para os salários da Caixa.

O PSD explica que o voto é apenas contra a proposta do PCP e alinha nas críticas ao salário da Caixa.

Já o CDS votou ao lado do PCP e do Bloco pela limitação dos salários e critica o chumbo da proposta.

O novo presidente do Banco público vai receber praticamente o dobro do antecessor no cargo: no mínimo 423 mil euros por ano que podem ser acrescidos de prémios.

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Os portugueses escolhem os seus representantes locais a 1 de outubro. Acompanhe aqui a campanha, os debates e toda a informação sobre as eleições Autárquicas.

    Veja ou reveja aqui os debates na RTP com os candidatos às presidências das câmaras municipais das 18 capitais de distrito de Portugal Continental. A série é transmitida até 14 de setembro.

      Natalidade, envelhecimento, turismo, agricultura, emigração, pobreza, saúde, desigualdades. A Antena 1 fixa o país em duas dezenas de retratos no caminho para as eleições autárquicas.

        A Alemanha aproxima-se da data do escrutínio de 24 de Setembro com uma economia próspera: muita exportação, muita construção, receitas fiscais abundantes, orçamentos públicos excedentários. O reverso da medalha é a degradação de condições sociais para uma parte significativa da população.