Proibido captar imagens e som na conferência sobre reforma do Estado

| Política
Proibido captar imagens e som na conferência sobre reforma do Estado

Foto: José Sena Goulão/Lusa

A conferência “Pensar o futuro – um Estado para a sociedade”, organizada pela ex-dirigente social-democrata Sofia Galvão a pedido do primeiro-ministro, começou envolta em polémica. Os jornalistas foram impedidos de gravar depois da abertura e a Antena1 decidiu sair da sala. Do lado de fora, os empresários de diversão protestavam por não terem sido autorizados a participar no debate.

A polémica estalou quando Sofia Galvão anunciou que estavam proibidos registos de imagem e som, exceto na sessão de abertura e de encerramento. “A permanência de jornalistas na sala pode manter-se, mas não haverá citações de nada que aqui seja dito sem expressa autorização dos citados”, referiu.

Perante estas condições, a Antena1 decidiu sair da sala, tal como a maioria dos jornalistas presentes na sala do Palácio Foz, em Lisboa. Do lado de fora do edifício estavam em protesto silencioso cerca de duas dezenas de empresários de diversão.

O presidente da Associação Portuguesa de Empresas de Diversão, Luís Paulo Fernandes, não compreende por que razão não lhe foi permitido participar na conferência que debate a reforma do Estado.

(com Sandra Henriques)

Relacionados:

A informação mais vista

+ Em Foco

Em 260 episódios, o projeto chegou às mais diversas áreas: saúde, engenharias, astronomia, tecnologia, química, história, filosofia, desporto ou geografia.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.