Limitar subida da temperatura global a 1,5ºC salvaria maior parte das espécies

| Ambiente

A concretização do objetivo de limitar o aquecimento do planeta a 1,5 graus Celsius salvaria a maior parte das espécies animais e vegetais das consequências das alterações climáticas, conclui um estudo hoje divulgado.

O trabalho liderado por investigadores da universidade de East Anglia, no Reino Unido, revela que limitar a subida da temperatura global ao valor fixado pelo Acordo de Paris sobre combate ao aquecimento global, firmado em 2015, iria evitar metade dos riscos associados a um aquecimento de 2ºC para plantas e animais e dois terços dos riscos para os insetos.

Os benefícios de uma subida da temperatura limitada a 1,5ºC iriam sentir-se nas espécies em todo o mundo, mas especialmente naquelas do sul de África, Amazonas, Europa e Austrália.

Para os cientistas que colaboraram na pesquisa, publicada hoje na revista Science, diminuir o risco para os insetos é particularmente relevante já que são essenciais para "serviços do ecossistema", como a polinização de sementes e flores, e são uma parte da cadeia alimentar de aves e outros animais, sendo, portanto, decisivos para os seres humanos.

Num estudo separado, Guy Midgley, especialista em alterações climáticas e seu impacto na biodiversidade, aponta no mesmo sentido ao referir que "o aquecimento em mais de 2ºC vai levar o mundo para uma situação que não acontece há vários milhões de anos".

O investigador do departamento de Botânica e Zoologia da universidade Stellenbosch, na África do Sul, refere que altos níveis de aquecimento vão levar a uma simplificação ecológica sistémica, processo em que vários "derrotados climáticos" são substituídos por um menor número de "vencedores climáticos".

"Se aumentarmos o dióxido de carbono para milhares de partes por milhão, nos próximos 50 a 60 anos, o que somos capazes de concretizar se falharmos a redução da dependência de combustíveis fósseis, voltaremos a um mundo de há 20 ou 30 milhões de anos, num espaço de um século. É como fazer os ecossistemas andarem para trás à velocidade da luz", defendeu Guy Midgley.

Os investigadores da Universidade britânica e da James Cook University, na Austrália, estudaram cerca de 115 mil espécies, incluindo 31 mil insetos, oito mil aves, 1,7 mil mamíferos, 1,8 mil répteis, mil anfíbios, e 71 mil plantas, sendo o mais abrangente estudo deste tipo.

O objetivo era "ver como as diferentes projeções de futuro climático tornam áreas incompatíveis com a vida das espécies", explicou a coordenadora da investigação, Rachel Warren, da universidade de Anglia.

Foram medidos os riscos para a biodiversidade contando o número de espécies que podem perder mais de metade da presença geográfica devido à mudança do clima.

"Concluímos que cumprir o objetivo do Acordo de Paris de limitar o aquecimento a 1,5ºC relativamente aos níveis pré-industriais, traria enormes benefícios para a biodiversidade, muito mais que o limite de 2ºC", defendem os cientistas.

Os insetos são particularmente sensíveis às alterações climáticas, realçam, e, com uma subida de 2ºC, 18% dos 31 mil insetos estudados poderão reduzir em mais de metade a sua presença, mas com um aumento de 1,5ºC a diminuição seria de 6%.

Tendo em conta os atuais compromissos dos países para reduzirem as suas emissões de gases com efeito de estufa, que contribuem para as alterações do clima, a subida da temperatura média do planeta será de cerca de 3ºC.

Com aquela perspetiva de subida, quase 50% dos insetos vão perder metade da sua presença na natureza.

Ao analisar a capacidade das espécies para procurarem outras zonas, quando a temperatura sobe, a investigação concluiu que aves, mamíferos e borboletas são as que têm mais possibilidade de afastar-se.

Tópicos:

Botânica, James Cook University,

A informação mais vista

+ Em Foco

No 20.º aniversário da Exposição Universal sobre os Oceanos, a Antena 1 e a RTP estiveram à conversa com alguns dos protagonistas do evento.

    Em 9 de abril de 1918, a ofensiva alemã varre a resistência portuguesa. O dossier que se segue lança um olhar sobre o antes, o durante e o depois.

      Portugal foi oficialmente um país neutro na 2ª guerra Mundial. Mas isso não impediu que quase mil portugueses tivessem sido deportados, feitos prisioneiros ou escravos pelos nazis.

        Uma caricatura do mundo em que vivemos.