Autárquicas 2021. Vila Real

por RTP
Foto: Pedro Sarmento Costa - Lusa | Grafismo: RTP

Conheça os candidatos, os números do concelho e os resultados das últimas eleições autárquicas de 2017.

Na contagem decrescente para as Eleições Autárquicas, que terão lugar no final do mês de setembro, a RTP realiza um ciclo de 22 debates. Reveja aqui o debate de Vila Real na íntegra.
Candidatos à Presidência da Câmara
Alexandre Coelho – CDU

Com 44 anos e assistente técnico na Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), Alexandre Coelho destacou a luta contra o despovoamento e exemplificou com a “perda significativa” de eleitores, divulgada recentemente e que se traduz na perda de dois vereadores no executivo municipal enquanto a AM passa de 27 para 21 deputados. Em 2017, a CDU perdeu o único deputado municipal que tinha.

Luís Santos – Bloco de Esquerda

Nasceu em Vila Real há 46 anos e é licenciado em Recriação Lazer e Turismo e mestrado na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), sendo atualmente funcionário da universidade transmontana. Luís Miguel Mourão Santos, que tem um passado ligado ao associativismo desportivo, nomeadamente ao Andebol, foi candidato do Bloco de Esquerda às autárquicas de 2017 e às legislativas de 2019, como independente. Promete lutar pelo reforço do serviço público, nomeadamente a nível dos transportes.

Luís Tão – Coligação “Vila Real à Frente”

Luís Tão, independente, lidera a coligação “Vila Real à Frente” que junta o PSD/CDS-PP. O candidato é um empresário de 57 anos, natural de Vila Real e licenciado em Engenharia Mecânica pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto. Além disso, foi presidente da NERVIR – Associação Empresarial de Vila Real, entre 2011 e 2019, exerceu os cargos de vice-presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal e vice-presidente da AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal, até 2019, e é atualmente vice-presidente da direção da Associação Douro Histórico, com sede em Sabrosa.

Rui Santos – PS

Tem 52 anos e nasceu na freguesia de Nossa Senhora da Conceição. Viveu a infância em Vila Real. É o atual presidente da autarquia e recandidato a um terceiro mandato. Conquistou a câmara pela primeira vez para o PS em 2013. Rui Santos promete continuar a baixar impostos, lutar pelo curso de medicina na Universidade de Trás-os-Montes e tonar a cidade Capital Europeia da Cultura em 2027.

Sérgio Ramos – Chega

Doze anos depois de ser candidato pelo Bloco de Esquerda à junta de freguesia de Lordelo e à Assembleia Municipal de Vila Real, Sérgio Ramos juntou-se ao Chega para se candidatar à presidência da autarquia. Aos 44 anos, é professor de educação visual e tecnológica, apaixonado por ciclismo e preocupado com o ambiente e o futuro. O candidato defende que a cidade deve fixar a população o que só é possível com a criação de empregos.
Vila Real em números
População: 49 623 (- 4,3% em relação a 2011)
Número de eleitores: 49 686
Desemprego: 7,4%
Setor com mais trabalhadores: Comércio (19,1%)
Rendimento médio mensal: 1 091€

Notas metodológicas: A RTP reuniu os dados de cada concelho no que diz respeito à população, rendimento médio mensal, setores dominantes na economia e taxa de desemprego. Para além dos concelhos capitais de distrito, damos destaque a outros quatro concelhos por decisão editorial. São eles: Almada, Amadora, Figueira da Foz e Odemira.
Nos casos de Odemira, Faro e Lisboa, por terem um número elevado de estrangeiros residentes, incluímos também a percentagem de cidadãos estrangeiros no total da população.
A nível da população, conta o número absoluto de pessoas apurado no Censos 2021 e a variação percentual em relação ao Censos anterior (2011). Já o número de eleitores diz respeito a junho de 2021, conforme consta em Diário da República n.º116/2021, Série de 2021-06-17.
Quanto ao rendimento médio mensal, contabiliza-se o valor em euros do rendimento dos trabalhadores por conta de outrem em 2019. Para efeitos de comparação, a média nacional era de 1.206€, mas apenas seis concelhos analisados igualam ou estão acima desse valor.
Em relação ao setor com mais trabalhadores, é apresentado nesta infografia o que obteve a percentagem mais elevada de respostas por concelho, ou seja, aquele que em cada concelho emprega mais pessoas. Os dados são relativos a 2019, mas refletem a tendência dos últimos anos.
Contamos ainda com os dados do desemprego, com a percentagem de desempregados inscritos no IEFP em 2020. Para comparação, a percentagem nacional foi de 5,8 por cento.
Por fim, lembramos também os resultados de há quatro anos, nas Eleições Autárquicas de 1 de outubro de 2017.
Fontes: INE, PORDATA, IEFP, Secretaria-Geral da Administração Interna

Tópicos
pub