"Canções para revoluções" são recordadas segunda-feira num concerto em Lisboa

| Cultura

Canções que nasceram em contexto de ditadura, de conflitos, que são de intervenção e de protesto, vão ser interpretadas pela Orquestra Metropolitana de Lisboa, pelo Coro Sinfónico Lisboa Cantat e por vários convidados, na segunda-feira, em Lisboa.

O espectáculo "Canções para Revoluções", no Terreiro do Paço, tem por objetivo assinalar o aniversário da revolução de 25 de Abril de 1974, mas também se insere no programa de Lisboa - Capital Ibero-Americana de Cultura.

No concerto serão interpretadas 26 músicas ibero-americanas que abrangem praticamente todo o século XX, testemunhos de convulsões sociais e instrumentos de resistência em países como Cuba, Chile, Argentina, Portugal, México e Espanha, como explicou à agência Lusa o músico Luís Varatojo, que assina a direção artística.

O espectáculo envolverá cerca de 150 músicos e instrumentistas. Além da Orquestra Metropolitana de Lisboa e do Lisboa Cantat, estarão presentes António Zambujo, Vitorino, Lura, Silvia Perez Cruz, a soprano Marina Pacheco e o tenor Mário Alves, e os instrumentistas Pedor Jóia, Alexandre Frazão e Norton Daiello.

O maestro Cesário Costa assina a direção musical e Pedro Moreira é o autor dos novos arranjos, para canções como "Coro da Primavera", de José Afonso, "Cálice", de Chico Buarque, "Todo Cambia", de Mercedes Sosa, ou "Hasta Siempre", de Carlos Puebla.

Nas pesquisas desse património musical ibero-americano, Luís Varatojo disse que encontrou uma marca forte da identidade musical de cada país e uma mensagem social que não está datada nem perdeu atualidade.

"Há uma coisa curiosa comum a vários países aqui do repertório escolhido, que tiveram ditaduras tardias, até finais do século XX", disse.

"Canções para Revoluções" foi criado a convite da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGAC) no âmbito de Lisboa - Capital Ibero-Americana de Cultura e do programa "Abril em Lisboa", organizado para lembrar os valores e as conquistas da "Revolução dos Cravos".

Tópicos:

Afonso Cálice Chico Buarque Cambia Mercedes Sosa, Animação, Coro Sinfónico, Cuba Chile Argentina, Pedor Jóia Alexandre Frazão, Revoluções Terreiro,

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.