"Esta vitória vai ser muito importante" afirma Salvador Sobral

| Cultura
Esta vitória vai ser muito importante afirma Salvador Sobral

A ver: "Esta vitória vai ser muito importante" afirma Salvador Sobral

Salvador Sobral recusa o estatuto de herói e diz que quer apenas continuar a "fazer a minha música e ser feliz a tocar".

Apesar do cansaço, Salvador Sobral respondeu com humor às perguntas dos jornalistas na sua primeira conferência de imprensa à chegada a Lisboa.

O vencedor do Festival da Eurovisão acrescentou que espera que a vitória ajude a cultura portuguesa, já que o turismo vai de certeza ajudar - e pedindo desculpa à RTP pelo que vai ter de gastar para organizar o próximo Festival em 2018.

"Não nos compromete de maneira nenhuma e é muito importante" para a cultura, sublinhou Salvador Sobral.

"Esta vitória vai ser muito importante para a cultura portuguesa", referiu "sem querer ser prepotente, mas sendo-o".

Já a sua irmã, Luísa, compositora da canção vencedora, afirmou que sempre fez sentido cantar em português, já que, "o que é importante nisto tudo é sentir o que se está a dizer". Salvador recordou que alguns intérpretes de outros países cantavam em inglês sem sequer saber o idioma.

O prémio grande vai para "casa dos nossos pais" e o "pequenino para a RTP", revelaram os dois irmãos, agradecendo todo o apoio recebido pela televisão pública.

"Foi uma família" e "ninguém nos tentou moldar em nada", afirmaram, sublinhando a aposta ganhadora da RTP na diferença.

Além da vitória no Festival, "Amar pelos dois" valeu a Luísa Sobral o prémio de composição e a Salvador o de intérprete, atribuídos pelos comentadores e pelos compositores das outras delegações.

Portugal venceu igualmente a votação dos júris dos vários países e os televotos dos espectadores, obtendo a pontuação final recorde de 758 pontos.

Salvador recebeu parabéns do Presidente da República e do primeiro-ministro António Costa.

Ao deixar o aeroporto, Salvador foi completamente apanhado de surpresa pela recepção de duas a três mil pessoas que o esperavam e aplaudiram em delírio, gritando "Portugal!".

A informação mais vista

+ Em Foco

Houve aldeias ceifadas e vidas destruídas. O medo viveu ao lado de histórias de heroísmo. Contamos as estórias que agora preenchem dezenas de aldeias esquecidas, muitas pintadas a cinza.

    O incêndio de Pedrógão Grande provocou a morte de 64 pessoas e deixou mais de 200 pessoas feridas. Revisitamos os últimos dias com fotografias e imagens aéreas captadas com recurso a um drone.

      É uma tragédia sem precedentes que vai marcar para sempre o país. O incêndio de Pedrógão Grande fez 64 mortos mais de duas centenas de feridos. Há dezenas de deslocados.

      Nodeirinho é a aldeia mártir do incêndio de Pedrógão Grande. É uma aldeia em ruínas, repleta de casas queimadas e telhados no chão. Um cenário de desolação e dor.