PR de Cabo Verde felicita Chico Buarque por distinção que coroa obra

| Cultura

O Presidente da República de Cabo Verde felicitou hoje Chico Buarque pela atribuição do Prémio Camões que disse "coroar uma obra literária de inestimável valor", e ainda destacar "o caráter e o profundo humanismo do premiado".

Numa missiva enviada ao músico e escritor, que venceu a edição deste ano do Prémio Camões, Jorge Carlos Fonseca congratulou-se pela escolha, enquanto chefe de Estado e na qualidade de presidente em exercício da Conferência dos Chefes de Estado dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

"Nós todos, habitantes deste espaço multicontinental, herdeiro, useiro e fazedor desta língua que nos une - na dor, no sonho, na esperança e na alegria - vimos usufruindo um pouco desse universo criado, há várias décadas, por sua obra e arte", lê-se na carta.

E sobre o mundo de Chico Buarque escreveu: "É feito de palavras que, primeiro, nos foram chegando musicadas, plenas de vida e da condição humana, de sentimentos, da luta diária de homens e de mulheres do seu Brasil. E, nos últimos tempos, para grande regozijo nosso e das letras deste nosso espaço comum, suas obras literárias, que vieram enriquecer e dar um brilho de qualidade à literatura do seu país".

Para Jorge Carlos Fonseca, numa "comunidade de afetos, de laços culturais e históricos, cujos alicerces são as pessoas", entre os que mais têm contribuído para "o seu crescimento e fortalecimento, estão os artistas, os músicos, os cantores e aqueles que registam os passos e o batimento cardíaco da nossa condição, do nosso ser: os escritores, romancistas e poetas, fazedores do nosso edifício identitário comum".

Chico Buarque fora já distinguido duas vezes com o prémio Jabuti, o mais importante prémio literário no Brasil, pelo romance "Leite Derramado", em 2010, obra que também venceu o antigo Prémio Portugal Telecom de Literatura (atual Prémio Oceanos), e por "Budapeste", em 2006.

Em 2017, venceu em França o prémio Roger Caillois pelo conjunto da sua obra literária.

O Prémio Camões de literatura em língua portuguesa tem o valor de cem mil euros e foi instituído por Portugal e pelo Brasil em 1988, com o objetivo de distinguir um autor "cuja obra contribua para a projeção e reconhecimento do património literário e cultural da língua comum".

Foi atribuído, pela primeira vez, em 1989, ao escritor Miguel Torga. Em 2018 o prémio distinguiu o escritor cabo-verdiano Germano Almeida, autor de "A ilha fantástica", "Os dois irmãos" e "O testamento do Sr. Napumoceno da Silva Araújo", entre outras obras.

Tópicos:

Chico Buarque, Derramado, Fonseca, Germano, Torga, Verde,

A informação mais vista

+ Em Foco

Em Pedrógão Grande, dois anos depois dos incêndios, quase só os estrangeiros são atraídos para a região.

Uma equipa da RTP acompanhou o curso dos novos seguranças pessoais, "sombras" de quem protegem.

Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

    Em cada uma destas reportagens ficaremos a conhecer as histórias de pessoas ou de projectos que, por alguma razão, inspiram ou surpreendem.