Siza Vieira assina projeto de requalificação do Miradouro do Zebro em Oleiros

| Cultura

O arquiteto português Álvaro Siza Vieira vai assinar o projeto de requalificação do Miradouro do Zebro, em Oleiros, cujo investimento ronda os dois milhões de euros, disse hoje à agência Lusa o presidente no município local.

"O projeto ronda os dois milhões de euros e vai incluir uma ponte suspensa que irá ligar os concelhos de Oleiros, Pampilhosa da Serra e Fundão. O nome de Siza Vieira irá atrair para a região turistas do mundo inteiro", afirmou Fernando Marques Jorge.

O Miradouro do Zebro é um dos geossítios onde se podem observar materiais que constituíam os fundos marinhos, há cerca de 500 milhões de anos, e que agora surgem a formar os cumes da Serra do Muradal, em Oleiros, distrito de Castelo Branco.

Estes materiais foram enrugados e elevados por forças compressivas na sequência da gigantesca colisão continental que originou a formação do supercontinente Pangeia.

Fernando Marques Jorge explicou que a verba para a concretização deste projeto, no valor de dois milhões de euros, está inscrita no orçamento da autarquia para 2019, já aprovado, por unanimidade, em Assembleia Municipal.

"Este projeto, com a assinatura do arquiteto Siza Vieira, irá contribuir para o desenvolvimento turístico do concelho e para a fixação de pessoas. Além disso, irá ainda beneficiar não só Oleiros, como os concelhos de Pampilhosa da Serra e do Fundão", concluiu.

Tópicos:

Fundão, Miradouro Zebro, Oleiros Pampilhosa Serra, Serra Muradal, Siza,

A informação mais vista

+ Em Foco

A primeira-ministro britânica descarta um segundo referendo, por considerar que não vai solucionar a encruzilhada que o Reino Unido enfrenta.

Xi Jinping passou dois dias em Lisboa, na primeira visita de Estado a Portugal desde que é Presidente da República Popular da China. Foram assinados vários acordos bilaterais.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em conteúdos de serviço público. Notícias para acompanhar diariamente na página RTP Europa.

      O processo de degelo na Gronelândia acelerou substancialmente nas últimas décadas. Os investigadores alertam para o perigo da subida do nível da água do mar.