Teatro do Bairro estreia peça sobre a linha que separa a humanidade da barbárie

| Cultura

A "ténue linha" que separa a humanidade da barbárie, característica do pensamento do escritor polaco Witold Gombrowicz, atravessa toda a peça "Ivone, princesa de Borgonha", que se estreia no dia 21 no Teatro do Bairro, em Lisboa.

Com tradução da escritora Luísa Costa Gomes e encenação de António Pires, a peça é mais que uma comédia ou que uma comédia trágica, acabando por tratar da imaturidade, tema caro ao escritor nascido em Maloszyce, a sul de Varsóvia, em 1904, autor de "Cosmos" e "Curso de Filosofia em Seis Horas e um Quarto", que reuniu os seus primeiros contos, em 1993, sob o título "Memórias dos tempos da imaturidade".

Questionado sobre por que razão decidiu levar à cena "Ivone, princesa de Borgonha", António Pires disse que Luísa Costa Gomes lhe mostrou o texto, e que ficou logo "completamente apaixonado".

"Achei que o texto era um bocadinho mais fácil de levar à cena. Foi um processo de muito trabalho. De muita coisa a acontecer em cena, e que foi para lá da leitura", disse.

Esta peça foi também, segundo António Pires, a mais difícil que já encenou. Porque é uma peça que não se entende logo à primeira leitura, e tem um ritmo avassalador.

Sublinhando ter achado importante levar esta peça à cena -- que Carlos Avilez primeiro encenou em 1971, no Teatro Experimental de Cascais -, António Pires referiu ainda que a peça "é um bocado esquisita".

"Por um lado, podemos falar de `bullying`, mas depois, quando se vai desenvolvendo, vai falando de amor (...), fala um bocado de possessão também... Eles [as personagens] são déspotas também um bocado", acrescentou António Pires, sublinhando, contudo, que isso não é logo "percetível" inicialmente.

Por seu turno, Luísa Costa Gomes, que nunca a tinha visto a peça encenada, disse que só quando começou a traduzi-la, é que percebeu "que é bem mais que uma comédia".

"Na leitura, a peça é muito engraçada, muito divertida, porque tem um ritmo avassalador e as `deixas` sucedem-se e são sempre inesperadas. Tudo aquilo é insólito, mas fazendo imenso sentido", indicou, sublinhando, no entanto, que a peça "`fia muito mais fino` do que parece".

"A peça é muito mais complexa, muito mais profunda do que parece à primeira vista", enfatizou. E o insólito mantém-se ao longo do texto, indo mesmo em crescendo, observou.

"Ivone, princesa de Borgonha" centra-se em Ivone, uma mulher amorfa que não fala -- ao longo da peça tem apenas sete falas -, e que o mimado príncipe Filipe de Borgonha escolhe para casar.

Ivone acaba assim por se tornar vítima de `bullying`, sem chegar a ser agredida fisicamente, o que faz com que os quatro atos evoluam num crescendo de bestialidade, selvajaria, idiotice e falta de sentido.

"Ivone, princesa de Borgonha" acaba por abordar assim os limites da humanidade ou a bestialidade ainda que adormecida, que todo o ser humano carrega.

A peça acaba também por ser uma dissimulação de horrores, a que não é alheio o facto de ter começado a ser escrita em 1933, quando Hitler sobe ao poder na Alemanha, e publicada em 1938, em plena época de ascensão do nazismo.

A interpretar estão Maria João Luís, Marcello Urgeghe, João Barbosa, Mário Sousa, Alexandra Sargento, Hugo Mestre Amaro, Cláudia Alfaiate, Nuno Casanovas, Francisco Vistas e Carolina Campanela.

A cenografia é de João Mendes Ribeiro, os figurinos de Luís Mesquita e os adereços de Carla Freire.

"Ivone, princesa de Borgonha" estreia-se no próximo dia 21 e fica em cena até 08 de abril, com espetáculos de quarta a sábado, às 21:30, e ao domingo, às 17:00.

"Contos Polacos, "A Pornografia", "Morte ao Dante", "Contra Os Poetas" são alguns dos títulos de Gombrowicz editados em Portugal.

Tópicos:

Borgonha, Casaas Vistas, Experimental Cascais, Mendes, Mestre, Pires, Urgeghe, Varsóvia,

A informação mais vista

+ Em Foco

Nas eleições primárias, alguns dos mais conceituados senadores democratas foram vencidos por candidatos mais jovens, progressistas e, alguns deles, socialistas.

    Em 1995, dois estudantes desenvolveram um motor de pesquisa. Dois anos depois, Andy Bechtolsheim passou um cheque no valor de 100 mil dólares. Nesse dia, fez-se história: a Google nasceu.

      A Austrália enfrenta a maior seca de que há memória, afetando agricultores e criação de gado.