Agência Espacial Europeia quer projetos com aplicações no universo dos PALOP

| Economia

Um programa da Agência Espacial Europeia (ESA) lançou uma nova chamada para projetos que incorporem tecnologia especial, sendo incentivada a apresentação de aplicações que abordem problemas nos PALOP.

O Small ARTES (Programa de Investigação Avançada em Sistemas de Telecomunicações) prevê o apoio de projetos que tragam para a Terra tecnologia e conhecimento desenvolvido no espaço, como é o caso de "navegação por satélite, observação da terra e voos espaciais tripulados", criando novas aplicações em mercados como "transporte, energia, saúde, agricultura, ambiente ou segurança", informou hoje o Instituto Pedro Nunes (IPN), coordenador do projeto em Portugal.

Segundo a incubadora sediada em Coimbra, "é incentivada a apresentação de projetos que aproveitem a condição de Portugal como ponte com os países de língua portuguesa".

As relações de proximidade "justificam plenamente a aposta no potencial empresarial de projetos que abordem problemas em Angola, Moçambique ou Cabo Verde ou que tenham aplicação na área marítima", sublinha o IPN, em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

Os projetos, cujas candidaturas podem ser submetidas até junho, poderão assentar na "melhoria de processos e serviços operacionais já existentes ou criando novas aplicações e serviços", referiu.

Até ao momento, o IPN, enquanto embaixador do programa em Portugal, "já apoiou seis projetos em áreas tão diversas como a agricultura, energia ou recursos do mar".

As propostas selecionadas têm um financiamento de até 25 mil euros e contam com o apoio do IPN, no estudo da viabilidade financeira e técnica.

Tópicos:

Espacial, PALOP, PALOP Small,

A informação mais vista

+ Em Foco

Na Grande Entrevista da RTP, o ministro João Matos Fernandes lamentou que os problemas ambientais sejam muitas vezes menorizados.

Foi considerado o “pior dia do ano” em termos de fogos florestais, com a Proteção Civil a registar 443 ocorrências. Morreram 45 pessoas. Perto de 70 ficaram feridas. Passou um mês desde o 15 de outubro.

    Todos os anos as praias portuguesas são utilizadas por milhões de pessoas de diferentes nacionalidades e a relação ambiental com estes espaços não é a mais correta.

      Uma caricatura do mundo em que vivemos.