António Vitorino renuncia a cargos na EDP

| Economia

O advogado António Vitorino renunciou ao cargo de presidente da mesa da assembleia-geral da EDP e de membro do Conselho Geral e de Supervisão, anunciou hoje ao mercado a energética.

"A EDP -- Energias de Portugal vem informar o mercado e o público em geral de que o Dr. António Manuel de Carvalho Ferreira Vitorino apresentou a sua renúncia ao cargo de presidente da mesa da assembleia geral e, por inerência estatuária, de membro do Conselho Geral e de Supervisão da EDP", lê-se no comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Em 31 de julho, o antigo eurodeputado já havia renunciado ao cargo de vogal no Conselho de Administração do Banco Santander Totta.

Em 29 de junho, António Vitorino foi eleito diretor-geral da Organização Internacional das Migrações (OIM) por aclamação.

O candidato português venceu as três primeiras rondas de votação, tendo passado à quarta com a candidata costa-riquenha, Laura Thompson.

Natural de Lisboa, António Vitorino, 61 anos, desempenhou também funções como deputado socialista, advogado, consultor empresarial, professor e comentador.

Tópicos:

Carvalho, EDP, Mobiliários CMVM, Santander Totta, Supervisão, Vitorino,

A informação mais vista

+ Em Foco

A 15 de outubro de 2017, uma vaga de incêndios fez 50 mortos e dezenas de feridos. Reunimos aqui um conjunto de reportagens elaboradas um ano depois da catástrofe.

    Toda a informação sobre a União Europeia é agora agregada em novos conteúdos de serviço público que podem ser seguidos na página RTP Europa.

      Um terramoto de magnitude 7,5 e um tsunami varreram a ilha de Celebes, causando a morte de pelo menos duas mil pessoas. A dimensão da catástrofe é detalhada nesta infografia.

        O desaparecimento do jornalista saudita fragiliza a relação dos EUA com uma ditadura que lhe tem sido útil a combater o Irão e a manter os preços do petróleo.