ANTP deverá recusar novamente proposta do Governo

| Economia

|

A Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) deverá recusar novamente a proposta do Governo, porque o "setor precisa de algo para agora" e em cima da mesa está uma "negociação e nada em concreto até ao final do ano".

Segundo Márcio Lopes, presidente da ANTP, as duas partes reuniram-se sábado e deverão voltar a dialogar na terça-feira de manhã, conforme o calendário previsto.

"Nós vamos negar a proposta negocial do Governo novamente, à partida vamos reunir amanhã (terça-feira), porque já estava marcado desde a semana passada, e depois logo vemos qual a opinião do Governo", adiantou o dirigente, sublinhando que o setor "precisa de algo para agora, algo urgente, e aquilo que estão a propor é negociação e nada em concreto até ao final do ano".

E "até ao final do ano é impossível porque o setor tem muitas situações que não consegue ter maneira de aguentar até ao final do ano", garantiu.

Márcio Lopes reafirmou que a ANTP quer "debater o setor dos transportes, que não está com legislação e regulamentação apropriadas à atualidade", referindo que a ampliação do limiar do gasóleo profissional é apenas uma das 18 questões do caderno reivindicativo, que inclui ainda 30 dias de pagamento obrigatório e a indexação do preço de combustível à fatura.

"Queremos que o Governo coloque 90% daquele caderno em prática, com urgência, porque no setor as empresas micro, médias e pequenas, que trabalham somente no setor dos transportes, neste momento, é pouco aquilo que conseguem manter as empresas a trabalhar, ou nada. Acho que existem muitas que estão a perder dinheiro", disse.

Nos 18 pontos estão ainda as exigências de uma secretaria de Estado dedicada exclusivamente aos transportes, a criação de um mecanismo para que a inflação também seja refletida no setor dos transportes, que o preço dos combustíveis seja indexado ao preço dos transportes, isto é, refletido no custo dos serviços, melhores condições de trabalho para os motoristas e descontos nas portagens.

Em 28 de maio, os camionistas iniciaram uma ação de protesto que incluiu a paralisação da circulação e marchas lentas.

No entanto, a paralisação em causa "não teve uma grande adesão", tal como admitiu, na altura, o responsável da ANTP.

"Sei que não tem estado a haver uma grande adesão. As pessoas estão dispersas e desunidas", disse Márcio Lopes.

A ANTP representa as pequenas e médias empresas do setor.

De acordo com a ANTP, o setor tem 7.500 empresas e mais de 300 mil trabalhadores, representando esta associação cerca de 400 associados.

Na semana passada, a Associação Nacional de Transportes Públicos Rodoviários de Mercadorias (ANTRAM) e o Governo assinaram um acordo com medidas imediatas de subida do limiar do gasóleo profissional dos 30 mil para os 35 mil litros e de fiscalização ao setor.

Tópicos:

ANTP, Márcio, Rodoviários, Transportadoras,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.