Colheita de cereja no norte do distrito de Viseu atrasada três semanas

| Economia

A colheita de cereja no norte do distrito de Viseu está atrasada cerca de três semanas devido às condições climatéricas, mas produtores de Resende e de Lamego garantem que haverá fruto à venda em quantidade e com qualidade.

"O concelho de Resende vai produzir cereja com boa qualidade e em quantidade, se não vier chuva que a estrague", disse à agência Lusa o produtor Rogério Silva, que tem cerca de 15 hectares de terrenos com cerejeiras.

Segundo o produtor, a cereja mais afetada foi a das quintas situadas nas zonas ribeirinhas, que é a primeira a florescer.

"Choveu em abril e destruiu as flores. Nessas zonas, a produção foi prejudicada, sobreviveu apenas 10% da cereja, mas cá para cima não, a cereja frutificou bem e só está atrasada", explicou.

Rogério Silva contou que este ano ainda só tem duas pessoas a ajudá-lo a apanhar cereja, bem diferente do que aconteceu em 2017, e que a quantidade que apanhou é "muito insignificante", tendo apenas mandado 60 quilos para o Luxemburgo.

"No ano passado, meti o pessoal todo a apanhar cereja no dia 17 de abril. Este ano, ainda só meti duas pessoas, o resto do pessoal só começará na segunda-feira", afirmou, contando que terá a trabalhar consigo entre 12 a 15 pessoas.

Na opinião de Rogério Silva, a chuva é "o pior inimigo" dos produtores de cereja desta região, não só na altura da frutificação, mas também na da apanha.

"O tempo está ótimo e aqui em cima haverá uma boa produção, se não chover. Mas se chover estraga tudo, porque pode rachar e apodrecer", contou.

Opinião semelhante tem Ricardo Simões, presidente da associação Amijóia - Amigos e Produtores da Cereja da Penajóia, segundo o qual, "este ano, a colheita está atrasada mais ou menos três semanas, em comparação com um ano normal".

"Este atraso deve-se a chuvas que houve na altura da floração e ao frio, que levou a que atrasasse toda a produção de cereja", explicou.

Segundo Ricardo Simões, houve "uma quebra acentuada" na produção das variedades mais precoces, mas, nas outras, "a produção já está normal".

"Como tem estado bom tempo, a cereja está carnuda, tem uma textura boa, está crocante e doce", realçou o produtor, que tem quatro hectares de terrenos com cerejeiras.

Ricardo Simões garantiu à Lusa que o fruto não vai faltar na Montra da Cereja da Penajóia, que se realiza nos dias 26 e 27, na cidade de Lamego.

A mostra, que é organizada pela Amijóia e vai na oitava edição, realiza-se este ano mais tarde precisamente devido ao atraso verificado na colheita de cereja, na sequência dass condições climatéricas atípicas.

Em Resende, o Festival da Cereja está marcado para 02 e 03 de junho, estando prevista a presença de mais de cem produtores.

O Festival da Cereja teve a sua primeira edição em 2002 e foi-se afirmando como um evento de referência nacional na promoção deste fruto.

 

Tópicos:

Montra Cereja, Produtores Cereja, Rogério, Simões,

A informação mais vista

+ Em Foco

Uma semana após a extinção do incêndio de Monchique, a televisão pública esteve no barlavento algarvio com uma emissão especial sobre o cíclico flagelo dos incêndios e as alterações climáticas.

    Fãs de Aretha Franklin homenagearam a icónica cantora norte-americana em várias cidades dos Estados Unidos. A rainha da Soul morreu na manhã de quinta-feira na sua casa em Detroit.

      Uma parte central da Ponte Morandi, em Génova, Itália, desabou na manhã de terça-feira durante uma tempestade. Morreram dezenas de pessoas.

        Há uma nova rota turística pela cidade de Lisboa, baseada em memórias de lisboetas mais antigos. São beneficiários da Associação Mais Proximidade Melhor Vida.